Aldicarbe – toxicidade, efeitos colaterais, doenças e impactos ambientais

O aldicarbe é um acaricida carbamato que mata aranhas, ácaros, carrapatos e nematóides (lombrigas). É um composto químico muito tóxico, conhecido como ingrediente ativo do Temik, um produto da Union Carbide. Esta substância cristalina esbranquiçada foi fabricada pela primeira vez em 1965 e foi registrada para uso alguns anos depois. Ela inibe a função da acetilcolinesterase, uma enzima crítica para o sistema nervoso. O aldicarbe é uma das substâncias mais tóxicas registradas na Agência de Proteção Ambiental (EPA). Em alguns países, o aldicarbe é usado como um rodenticida ilegal em locais residenciais.

Outros nomes para aldicarbe incluem: (US EPA PC Code); 098301 (texto de código US EPA PC); 116-06-3 (número CAS); 116063; 167 (Código PDP); 2-Metil-2- (metiltio) propanol O – [(metilamino) carbonil] oxima; 2-Metil-2- (metiltio) propionaldeído O- (metilcarbamoil) oxima; 575 (Código Chem CA DPR); Temik; Aldicarbe-1; Aldicarbe-2; Aldicarbe; Aldikarb; Ácido carbâmico; derivado de metil-, O- ((2-metil-2- (metiltio) propilideno) amino); ENT 27093; NCI-C08640; OMS 771; Propanal, 2-metil-2- (metiltio) -, O- ((metilamino) carbonil) oxima; Propionaldeído, 2-metil-2- (metiltio) -, O- (metilcarbamoil) oxima; e UC-21149.

O aldicarbe se tornou famoso por contaminar melancias na Califórnia, envenenando mais de 2.000 pessoas na década de 1980. Atualmente é produzido pela Bayer CropScience, que anunciou a retirada gradual do aldicarbe da produção. No entanto, os relatórios mostram que a distribuição do produto químico continuou em 2016. O aldicarbe também tem um impacto ambiental negativo: resíduos podem se acumular e contaminar fontes de água. Não se degrada facilmente e pode ser fatal para organismos expostos a ele.

Embora vários estudos e experimentos tenham sido executados, não há estudos ou relatórios sobre os efeitos carcinogênicos do aldicarbe até o momento.

Lista de efeitos colaterais conhecidos

O consumo de alimentos e água contaminados com aldicarbe é a principal via de exposição humana. A exposição ocupacional também é uma das principais causas de intoxicação por aldicarbe. O aldicarbe é extremamente tóxico pelas vias de exposição oral e dérmica, 1.000 vezes mais do que outros carbamatos. O início dos sintomas em humanos é de 15 minutos a três horas. Como um inibidor da colinesterase, o envenenamento resulta em efeitos colaterais como letargia, visão turva, dores de cabeça, náuseas, lacrimejamento, suor e tremores. Altas doses ou exposição de longo prazo podem resultar em paralisia do sistema respiratório, coma, convulsões, hipotonicidade, hipertensão, depressão cardiorrespiratória e, subsequentemente, morte.

Outros sintomas podem incluir mal-estar, tontura, falta de coordenação, fala arrastada, baba, vômito, diarreia, cegueira parcial, cãibras, espasmos musculares, edema pulmonar, miose (contração excessiva da pupila) e problemas respiratórios.

Sistemas corporais afetados por aldicarbe

A intoxicação por aldicarbe pode ocorrer pelas vias oral, dérmica, inalatória e de ingestão. Tem como alvo o sistema nervoso central e o sistema reprodutivo. O aldicarbe é metabolizado rapidamente e excretado pela urina em 24 horas. Aves e organismos aquáticos são muito afetados pela exposição ao aldicarbe e é fatal para eles.

Itens que podem conter aldicarbe

Este acaricida químico é usado em algodão, feijão, amendoim, soja, batata e frutas cítricas. Resíduos de aldicarbe também podem ser encontrados em áreas agrícolas comerciais e ilegalmente em locais residenciais em outros países.

Como evitar o aldicarbe

Quando o aldicarbe for inalado, leve a vítima para o ar fresco e coloque-a em posição de repouso. A absorção pela pele é provável, portanto roupas contaminadas e equipamentos de proteção devem ser removidos ou descartados. As áreas afetadas da pele ou olhos devem ser enxaguadas com água. Se ingerido, carvão ativado pode ser administrado e o vômito deve ser induzido. Para todos os cenários, os serviços médicos de emergência devem ser contatados imediatamente.

Você também pode gostar

Acrilamida: toxicidade, efeitos colaterais, doenças e impactos ambientais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *