Os benefícios da apiterapia no sistema imunológico

A ascensão dos remédios naturais incluiu produtos apícolas, como mel, geleia real e própolis, que complementam o tratamento convencional para certas patologias, inclusive auxiliando o sistema imunológico. Esta prática é chamada apiterapia. Mas quais são os benefícios da apiterapia para o nosso sistema imunológico? Descubra os benefícios dessa medicina natural para a sua saúde, graças aos produtos apícolas.

Mel para fortalecer seu sistema imunológico

O mel já servia desde 4500 AC. para adoçar alimentos. Nos tempos antigos, era sinônimo de vida eterna e tinha grande valor. Ou seja, a apiterapia é utilizada desde tempos imemoriais.
Usado durante os antigos Jogos Olímpicos, os atletas bebiam uma bebida à base de mel para recuperar as forças. Outros o recomendavam para embelezar a pele e curar feridas.

Hipócrates o utilizava no tratamento de feridas, febre, úlceras e na preparação de pastas medicinais.

Na Idade Média, o mel já era usado para fazer pão de mel. Até 1500, se usava mel como um anti-séptico.

Além de ser alimento o mel era remédio para feridas.
Foi usado durante as duas guerras mundiais para acelerar a cicatrização de feridas de soldados.

Em 1962, White identificou a inibina; um composto bactericida contido no mel. Ao longo das diferentes épocas: Idade Média, Renascimento, o mel era considerado uma fonte benéfica.

Mel Manuka, um poderoso antibacteriano natural

O mel de Manuka é originário da Nova Zelândia. Produzido por abelhas que polinizam a flor do Leptospermum scoparium, é comumente chamado de arbusto de Manuka. Numerosos estudos comprovaram sua capacidade de sustentar um microbioma saudável na boca. Isso gera uma resposta imunológica geral saudável. Ademais, o mel de Manuka oferece fortes benefícios antioxidantes e promove uma boa resposta antiinflamatória.

O mecanismo de ação da apiterapia


Pesquisas recentes mostraram que o mel e a apiterapia realmente possuem propriedades antibióticas, mas o mecanismo permanece um mistério. Além disso, uma equipe holandesa finalmente conseguiu identificar os componentes bactericidas. O trabalho foi publicado recentemente na revista FASEB. Eles testaram o efeito do mel em diferentes espécies de bactérias, escolhidas por seus efeitos patogênicos em humanos, assim como por sua resistência aos antibióticos.

Assim, todas as espécies testadas, incluindo bactérias envolvidas em intoxicações alimentares, como Bacillus subtilis ou Escherichia coli resistente a vários antibióticos, ou em infecções nosocomiais, como Staphylococcus aureus (Staphylococcus aureus) resistente à meticilina, Pseudomonas aeruginosa resistente a ciprofloxacina e vancomicina Enterococcus faecium resistentes foram todos mortos por apenas 10-20% de mel (1 ou 2 mililitros de mel em 10 mililitros de bactérias), ou por 40% de açúcar extraído do mel. Este primeiro teste indica que o antibiótico contido no mel é eficaz contra muitas cepas bacterianas, mesmo as já resistentes.

Os benefícios da Própolis para sua imunidade

Por milhares de anos, egípcios, gregos, romanos e maias usaram produtos apícolas para fins preventivos, curativos e nutricionais. Desde a antiguidade, o própolis tem sido usado como remédio de apiterapia, contra doenças da pele, feridas e supurações. De 3200 a 1100 anos AC., por exemplo o própolis teve um papel importante no antigo Egito.

Os egípcios usavam essa resina para embalsamar os mortos, conhecida por suas propriedades preservativas e aroma. Além disso, era usado em mumificações. De 700 a 600 anos AC., os gregos observaram que esta substância resinosa estava localizada na entrada da colmeia como barreira protetora contra predadores. Eles então deram o nome de “própolis” que significa pró = na frente e polis = cidade, construção.

Na Roma Antiga, os soldados entravam em batalha com um pedaço de própolis para curar possíveis feridas. Conhecido por reduzir edemas e aliviar dores nos nervos, o própolis também curava feridas e abcessos na pele. No mesmo período, na América do Sul, os Incas usavam o própolis como anti-séptico. No século 16, era usado para curar feridas de flecha.

Foi especialmente no século 18 – 19 que o própolis foi usado para curar feridas. Era muito comum nos campos de batalha, especialmente durante a Guerra dos Bôeres na África do Sul, tratar soldados e acelerar o processo de cura. Sendo assim, foi reconhecido por sua ação anti-séptica, anestésica e cicatrizante. Ele pode ser encontrado em formas de pomada, gesso, loção ou gás.

O mecanismo de ação do própolis no sistema imunológico

Desse modo, é evidente a relação entre o própolis e o sistema imunológico, enfocando sua composição química e as fontes botânicas, seu efeito sazonal em sua composição. Dessa maneira. este produto sempre desperta o interesse de pesquisadores, por suas propriedades biológicas e farmacológicas, incluindo antimicrobiana, antitumoral, antiinflamatória, antioxidante e imunomoduladora.

Testes in vitro e in vivo forneceram novas informações sobre os mecanismos modulatórios da própolis, em particular sobre macrófagos peritoneais murinos, por aumentar sua atividade microbicida, e sobre a produção de anticorpos. Sua ação é estimulante sobre a atividade lítica das células natural killer (NK) contra células tumorais. Além disso, tem o efeito inibitório sobre a linfoproliferação de esplenócitos, uma atividade imunomoduladora do CAPE foi avaliada pela avaliação dos pesos dos órgãos, do peso do timo e / ou a celularidade do timo está diminuída em todos os grupos de dose CAPE. Suas propriedades imunomoduladoras envolvem a resposta imune inata e adaptativa.

Geléia real para aumentar suas defesas imunológicas


Na antiguidade, os gregos associavam a geléia real ao poder da imortalidade dos deuses do Olimpo. Ao mesmo tempo, os chineses acreditavam que a geléia real aumentava a expectativa de vida e a atividade sexual. Foi em 1672 que Swammerdam diferenciou a rainha das abelhas operárias. Mais tarde, os cientistas explicaram o papel da geléia real na colmeia e suas propriedades terapêuticas. Desde o início do século 20, consolidou-se no mercado chinês com diversas funções: tratamento de diabetes, dores nas articulações, fadiga física e intelectual, hipertensão arterial, hepatites crônicas, distúrbios menstruais, assim como infertilidade. Para a medicina tradicional chinesa, a geléia real é como um tônico para a deficiência de Yin.

Na Europa de Leste e na Rússia, a geleia real é usada como substância anti-stress, que protege o corpo contra variações externas. Na colmeia, a rainha e as larvas, durante os primeiros três dias de vida, alimentam-se exclusivamente de geleia real. Propriedades milagrosas são atribuídas a esta substância devido aos efeitos observados na rainha da colmeia.
Na verdade, a rainha tem um tamanho muito maior do que as outras abelhas (peso seis vezes maior que o das operárias) e sua vida útil é de cerca de 5 anos, enquanto as operárias vivem apenas um ou dois meses; daí a possível presença de fator de crescimento na geléia real.

O mecanismo de ação da geléia real no sistema imunológico

O sistema imunológico é um conjunto de elementos que interagem entre si de forma coordenada, hierárquica e integrada no organismo para garantir sua função, que é a eliminação de substâncias estranhas ou agentes infecciosos aos quais está exposto, mas também de seus próprios constituintes alterados . A geleia real é um elemento nutricional que contém moléculas biologicamente ativas que melhoram a imunidade do organismo graças às suas características imunológicas.

Por que somos mais frágeis no inverno?

O sistema imunológico nos protege do frio graças a dois mecanismos: glóbulos brancos que destroem partículas estranhas (bactérias, vírus, fungos) que tentam entrar em nosso corpo, e termorregulação, controlada pelo hipotálamo para manter a temperatura corporal a 37 ° C .

Quando está frio, o sistema imunológico fica mais tenso e o corpo se torna menos resistente a ataques externos. O vírus não é uma entidade independente, ele precisa de uma célula hospedeira viva para se reproduzir. O vírus fica mais frágil quando há aumento de temperatura. Por exemplo, o vírus respiratório é circundado por um envelope lipídico que, quando exposto à temperatura, se decompõe e mata o vírus. Por outro lado, resiste bem ao frio. Portanto, espera estar em nosso corpo para “eclodir”. Assim, os vírus respiratórios, responsáveis ​​por
doenças como gripe, angina ou resfriado comum são mais comuns no inverno do que no verão.

A prevenção do contágio viral é realizada primeiramente por meio da lavagem das mãos, de um estilo de vida saudável, bem como da ventilação regular da casa.
Por outro lado, o corpo tenta aquecer o ar inspirado antes que ele alcance os pulmões. As membranas mucosas nasais transferem água à temperatura corporal para este ar (daí o fenômeno de “nariz escorrendo” no inverno). Essa transferência de calor faz com que a barreira física do muco seque e facilita a entrada de vírus e bactérias em nosso corpo.

O frio retarda a eficácia de nosso sistema imunológico: as células se movem com menos rapidez e permitem que o vírus se instale. Os cílios brônquicos também são menos eficazes quando a temperatura cai. Sendo assim, todos esses dados explicam, em parte, o surto de resfriados e outras infecções virais no corpo no inverno.

Conclusão

O mel é conhecido e utilizado desde a antiguidade pelo seu valor nutricional e energético. O homem então acentuou, empiricamente, seus conhecimentos sobre a apiterapia, com a descoberta das propriedades curativas, antibacterianas, antioxidantes, antiinflamatórias, antifúngicas e até antivirais do mel. Atualmente, a cura pelo mel está se desenvolvendo em hospitais, como o Hospital Universitário de Limoges, onde lesões de pele, como escaras ou queimaduras, são tratadas com curativos à base de mel.

Quando se trata de própolis, a apiterapia abrange todas as épocas da história. Graças à sua ação cicatrizante, antiviral, antifúngica e antibacteriana, a própolis é utilizada principalmente em dermatologia. No final da década de 1970, um composto ativo na própolis foi revelado graças a uma infinidade de estudos: o éster feniletílico do ácido caféico (CAPE). Está comprovado que tem ação antiviral. Por isso, tem provocado um avanço terapêutico considerável nas pesquisas contra a AIDS.

Os produtos de aconselhamento à base de própolis nas farmácias são, por sua vez, utilizados mais em otorrinolaringologia ou na forma de cura para estimular o sistema imunológico na prevenção do inverno, mas permanecem limitados. Quanto à geleia real, pura ou em combinação, é principalmente utilizada na apiterapia para reduzir o cansaço ou prevenir os males do inverno, graças à sua ação estimulante e antibacteriana e ao seu valor nutritivo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *