Doença de Alzheimer – causas, efeitos colaterais e tratamentos

A doença de Alzheimer é a forma mais comum de demência entre os idosos nos EUA e em outros países ao redor do mundo. É uma doença do cérebro de progressão lenta que prejudica seriamente a capacidade de uma pessoa de realizar até as tarefas diárias mais básicas.

A doença começa devagar. Primeiro afeta as partes do cérebro que controlam a linguagem, a memória e o pensamento. Pessoas com doença de Alzheimer podem não se lembrar de coisas que aconteceram recentemente ou dos nomes e identidades de pessoas que conhecem. Então, ele cria perturbações no raciocínio, planejamento e percepção.

Um problema relacionado, que é chamado de comprometimento cognitivo leve (MCI), dá origem a mais problemas de memória do que o normal para pessoas da mesma idade. A maioria das pessoas com MCI adquirirá a doença quando ficarem mais velhas.

Os sintomas da doença de Alzheimer pioram com o tempo. Geralmente, começam aos 60 anos e geralmente afetam cerca de 50% das pessoas com mais de 85 anos. O principal fator de risco para a doença é o aumento da idade. O risco de uma pessoa desenvolver a doença de Alzheimer aumenta se ela tiver um membro da família com a mesma doença.

O acúmulo da proteína amiloide também é visto como uma causa provável da doença de Alzheimer, pois tal cenário pode levar à morte de células nervosas. Certos genes também aumentam o risco – mas não causam diretamente – a doença de Alzheimer, como o que codifica a apolipoproteína E (apoE).

Alguns estudos descobriram que as mulheres são mais propensas a desenvolver a doença de Alzheimer do que os homens. Embora seja um fato que as mulheres vivem mais que os homens, isso não parece explicar por que a doença é mais frequente em mulheres, levando os pesquisadores a estudar o papel do estrogênio no desenvolvimento da doença de Alzheimer. Uma pesquisa recente descobriu que o estrogênio não deve ser prescrito para mulheres em idade pós-menopausa para reduzir os riscos da doença de Alzheimer.

Outros fatores de risco da doença de Alzheimer são doenças cardíacas, diabetes, pressão alta e níveis elevados de colesterol no sangue. Pessoas que completaram menos de oito anos de escolaridade também são mais propensas aos riscos da doença, assim como pessoas que tiveram ferimentos traumáticos na cabeça no início da vida.

A maioria das pessoas com síndrome de Down são suscetíveis aos sintomas da doença de Alzheimer quando chegam aos 40 anos.

A menos que a ciência moderna cultive novos tratamentos para diminuir a probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer nos Estados Unidos, espera-se que seja de 13,8 milhões em 2050.

Efeitos colaterais conhecidos da doença de Alzheimer

Os indivíduos que sofrem da doença de Alzheimer apresentam os seguintes sintomas:

  • Desorientação em relação ao tempo e lugar (por exemplo, esquecer onde estão, em que estação já está, em que data é)
  • Perder coisas (não ser capaz de encontrar coisas, esquecendo onde eles colocaram um item específico)
  • Mudanças de humor, personalidade ou comportamento
  • Problemas com comunicação e escrita (pode ter dificuldade em encontrar as palavras certas para itens ou nomes de pessoas ou lugares)
  • Perda de memória (esquecimento de datas ou eventos importantes)
  • Dificuldade em realizar tarefas familiares (dirigir para um lugar familiar)
  • Julgamento pobre
  • Problemas de visão (problemas de leitura ou julgamento de distâncias)
  • Problemas com planejamento
  • Perda de iniciativa ou afastamento do trabalho ou atividades sociais

Sistemas corporais prejudicados pela doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é ruim para o sistema nervoso. As pessoas afetadas podem encontrar dificuldades para falar, ler ou escrever. Eles podem esquecer até mesmo os processos mais minuciosos, como escovar os dentes ou pentear o cabelo. Eles podem estar sujeitos a ataques de ansiedade ou a ataques de agressão. Eles podem decidir sair de casa sem nenhum motivo.

Alimentos ou nutrientes que podem prevenir a doença de Alzheimer

Os alimentos que podem prevenir o aparecimento da doença de Alzheimer incluem folhas verdes como couve, espinafre, couve e folhas de mostarda; feijão e legumes; amêndoas, castanhas de caju, nozes, avelãs, amendoins e pecãs; canela, sálvia, cominho e cúrcuma; vegetais crucíferos, como couve-flor, bok choy, brócolis e couve de Bruxelas; grãos inteiros, tais como quinua, kammut e aveia sem glúten; bagas e cerejas; e abóbora, aspargo, tomate, cenoura, beterraba e abóbora.

Tratamentos, planos de gestão para a doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer pode ser controlada por meio de tratamentos baseados e não medicamentosos. Duas classes diferentes de produtos farmacêuticos são aprovados pela Food and Drug Administration (FDA) para o tratamento da doença de Alzheimer: inibidores da colinesterase e antagonistas parciais do glutamato.

Outros medicamentos que foram aprovados pelo FDA para o tratamento da doença de Alzheimer incluem Namzaric, memantina comercializada sob o nome de Namenda XR e Namzaric.

Enquanto isso, os tratamentos não medicamentosos para a doença de Alzheimer incluem fazer com que o paciente participe de atividades como caminhar, dançar e cantar. O paciente também deve ser exposto à reabilitação cognitiva (por meio da qual o paciente pratica em um programa de computador para treinar a memória).

Você também pode gostar

Sinemet: usos, riscos à saúde e efeitos colaterais

O que são os nootrópicos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *