Os benefícios das enzimas proteolíticas para a saúde

Os benefícios das Enzimas proteolíticas (proteases) para a saúde estão ligadas a suplementos que promovem a digestão adequada dos alimentos. Dentre os benefícios das enzimas proteolíticas está a regulação das funções metabólicas (como ajudar a quebrar e digerir proteínas em aminoácidos).

As enzimas proteolíticas são produzidas no pâncreas, de modo que o corpo pode fazer seu próprio suprimento, mas também estão contidas em certos tipos de alimentos.

Principalmente o mamão e o abacaxi são as duas fontes vegetais que contêm o nível mais alto de enzimas proteolíticas.

Como citado anteriormente, o mamão (que fornece a enzima chamada papaína) e a bromelaína (que pode ser encontrada no abacaxi fresco) são usados ​​comercialmente para fazer amaciantes, devido à sua capacidade de quebrar a proteína da carne.

Outros nomes para enzimas proteolíticas incluem:

Proteinase

Peptidase

Bromelaína

Quimotripsina

Enzimas digestivas

Pancreatina

Papaína

Serrapeptase

Tripsina

Benefícios para a saúde

Diz-se que as enzimas proteolíticas têm muitos benefícios para a saúde, incluindo:

Cooperação na criação de um sistema imunológico saudável

Promoção da cicatrização de tecidos

Estimulação a recuperação muscular

Auxilio na função digestiva (particularmente na digestão de proteínas)

De acordo com Winchester Hospital Health Library, “Os principais benefícios das enzimas proteolíticas é como auxílio digestivo para pessoas que têm problemas para digerir proteínas.

No entanto, as enzimas proteolíticas também podem ser absorvidas internamente até certo ponto e podem reduzir a dor e a inflamação. ”

Mas o que diz a pesquisa?

Pesquisa dos benefícios das enzimas proteolíticas

Tal como acontece com muitos medicamentos fitoterápicos e suplementos naturais, em geral, há uma falta de evidências de ensaios de pesquisa clínica para apoiar muitas das alegações de que as enzimas proteolíticas são eficazes no tratamento de várias doenças.

Aliado a isso, muitos dos dados de pesquisa são muito antigos e muitos estudos foram realizados em animais e não em humanos. Alguns estudos foram publicados, mas muitos dos dados são considerados insuficientes pelos médicos especialistas.

Problemas digestivos

Como dito anteriormente, o uso primário de enzimas proteolíticas é para aliviar problemas digestivos. Mas um pequeno estudo ás cegas com placebo mais antigo descobriu que não havia benefício em tomar enzimas proteolíticas para o tratamento da indigestão (dispepsia).

Ainda de acordo com o estudo, os resultados mediram uma comparação entre aqueles com indigestão que receberam enzimas pancreáticas por 24 dias, em comparação com os participantes do grupo de estudo que tomaram um placebo. Não houve evidência de qualquer tipo de efeito benéfico de curto prazo das enzimas pancreáticas (proteolíticas).

Dor

Ainda de acordo com estudos, há evidências preliminares de que as enzimas proteolíticas podem ser benéficas para o tratamento de vários tipos de dor (como dor de garganta de longo prazo), bem como osteoartrite.

Por exemplo, um estudo ás cegas com placebo em 1996 descobriu que houve uma redução modesta da dor quando as misturas de enzimas proteolíticas foram administradas.

Osteoartrite

Outro estudo envolvendo 400 participantes analisou os resultados daqueles que tomam enzimas proteolíticas versus o grupo que tomou um medicamento antiinflamatório padrão chamado diclofenaco para o tratamento da osteoartrite.

O estudo revelou benefícios iguais no controle da dor no grupo que tomou a medicação e no grupo que tomou as enzimas proteolíticas.

Mas, ainda de acordo com o Winchester Hospital Health Library, esses estudos são considerados inconclusivos porque havia “várias falhas”, incluindo o fato de que não havia um grupo de placebo (um grupo que tomou uma pílula de açúcar).

Lesões esportivas

Em 1965 foi realizado um estudo com placebo (o padrão ouro dos estudos) utilizand0 44 pessoas com lesões no tornozelo em acidentes esportivos.  Foi constatado benefícios das enzimas proteolíticas na promoção de uma cura mais rápida e diminuição de 50% menos de tempo longe doa treinos, em comparação com o grupo de estudo que fez o placebo.

Outras condições

De acordo com o Memorial Slone Kettering Cancer Center, a suposta eficácia das enzimas proteolíticas para várias condições inclui:

Inflamação: alguns estudos mostram benefícios no tratamento da inflamação, mas faltam dados de pesquisas clínicas suficientes para apoiar definitivamente essas alegações.

Doenças autoimunes: Não há dados de pesquisas clínicas suficientes para apoiar a eficácia do uso de enzimas proteolíticas para tratar doenças autoimunes (como a artrite reumatóide).

Infecções virais: Faltam evidências de pesquisas clínicas para apoiar o uso benéfico de enzimas proteolíticas para tratar infecções virais.

Câncer (e sintomas do tratamento do câncer): A pesquisa é conflitante.

Hepatite C: Há uma falta de evidências de pesquisa adequadas para apoiar o uso de enzimas proteolíticas para tratar eficazmente a hepatite C.

Possíveis efeitos colaterais

Embora as enzimas proteolíticas sejam consideradas relativamente seguras, às vezes podem causar reações alérgicas.

Outro efeito colateral relatado são dores de estômago, incluindo diarréia, náuseas e vômitos.

A pancreatina – que é uma enzima proteolítica – é conhecida por bloquear a absorção de folato (uma vitamina B). Ao tomar pancreatina, é importante tomar um suplemento de ácido fólico também.

Aliado a isso, a enzima proteolítica chamada papaína (que vem do mamão) pode aumentar as propriedades de diluição do sangue do medicamento Coumadin (varfarina) e, possivelmente, de outros anticoagulantes, incluindo heparina e muito mais.

Contra-indicações

Contudo, uma contra-indicação médica é uma situação específica (como um procedimento, um medicamento ou um tratamento médico) em que um suplemento ou medicamento não deve ser usado devido ao alto potencial de ser prejudicial à pessoa que recebe o tratamento / medicamento.

As contra-indicações para o uso da enzima proteolítica bromelaína incluem:

A bromelaína também pode causar problemas se combinada com medicamentos que tornam o sangue mais fluido. Não é aconselhável tomar bromelaína se estiver tomando algum tipo de medicamento sedativo.

Além disso, a bromelaína não deve ser tomada quando uma pessoa está tomando antibióticos, pois pode aumentar as concentrações sanguíneas de certos antibióticos.

Se você estiver tomando qualquer tipo de prescrição ou medicamentos sem receita ou quaisquer outros suplementos, é importante consultar seu médico antes de tomar enzimas proteolíticas (ou qualquer outra erva natural ou suplemento).

Dosagem e preparação

A potência das enzimas proteolíticas na forma suplementar é expressa em miligramas ou gramas, bem como em “unidades de atividade” ou “unidades internacionais”. Esses termos se referem à força da enzima (particularmente sua potência / poder digestivo).

A dosagem adequada varia dependendo da idade, saúde geral e outros fatores. Portanto, é recomendável consultar um médico, naturopata ou outro profissional de saúde a respeito da dose adequada. Além disso, certifique-se de ler as instruções do rótulo; não exceda a dosagem sugerida pelo fabricante.

Preparação

As enzimas proteolíticas podem ser derivadas de fontes vegetais (como hastes de abacaxi) ou podem ser extraídas do pâncreas de diferentes espécies animais (porcos e vacas são as fontes mais comuns).

Os suplementos estão disponíveis como:

Cápsulas em gel

Comprimidos mastigáveis

Pós

Tabletes

Similarmente a isso, alguns suplementos contêm apenas uma enzima (como os suplementos de mamão) e outros combinam várias enzimas proteolíticas em uma cápsula ou comprimido.

Comumente, bromelaína, papaína, pancreatina, tripsina e quimiotripsina são combinados em uma mistura de suplemento.

Adicionado a isso, as enzimas proteolíticas também podem ser acescentadas a alimentos e podem ajudar a tratar uma variedade de doenças quando suplementos e alimentos crus com enzimas proteolíticas são tomados juntos.

 Atentar-se

Ao comprar suplementos de enzimas proteolíticas, escolha um produto que lista sua potência. Muitas marcas comerciais simplesmente listam o peso de cada enzima (em miligramas ou gramas).

Como resultado, isso não fornece nenhuma informação sobre a potência ou força do produto que você está comprando. Selecione os produtos que listam “unidades de atividade” no rótulo.

O ácido clorídrico no estômago pode quebrar as enzimas proteolíticas e torná-las ineficazes. Para evitar que isso aconteça, selecione um suplemento com revestimento entérico.

Isso significa que ele é coberto por uma substância que evita que o suplemento se dissolva antes de chegar ao intestino (onde ocorre a absorção de nutrientes).

Aliado a isso, Escolha produtos orgânicos. Aqueles revisados ​​por agências terceirizadas, como a U.S. Pharmacopeia, NSF International ou ConsumerLab.com.

As preparações à base de ervas e naturais não são regulamentadas pelo governo (como a Food and Drug Administration – FDA – que supervisiona estritamente os medicamentos de venda livre e prescritos.

Outras perguntas

Posso obter enzimas proteolíticas em minha dieta?

Sim, conforme mencionado, mamão e abacaxi são duas das melhores fontes de enzimas proteolíticas. Outros alimentos que são ricos em enzimas proteolíticas incluem:

Gengibre

kiwi

Chucrute

Iogurte

Kefir

Missô

Quais os benefícios das enzimas proteolíticas no corpo?

Como já citado anteriormente, as enzimas proteolíticas são um grupo de enzimas que trabalham para quebrar as moléculas de proteínas (que aparecem como estruturas em cadeia no corpo).

Essas estruturas são reduzidas em pedaços menores (chamados de peptídeos) e, em seguida, subdivididos em aminoácidos.

Qual é a melhor forma de preparar alimentos com enzimas proteolíticas?

Primordialmente, comer alimentos crus é a melhor maneira de garantir que as enzimas não sejam quebradas; isso ocorre quando os alimentos são aquecidos.

Aliado a isso, Alimentos minimamente cozidos (como vegetais cozidos no vapor) também mantêm grande parte de suas enzimas naturais.

Outras maneiras de preparar e comer alimentos ricos em enzimas proteolíticas, incluem:

Frutas frescas cruas

Sucos de frutas espremidos na hora e não cozidos

Nozes e sementes cruas

Grãos inteiros ligeiramente cozidos (como o germe de trigo)

Considerações finais

Embora o corpo fabrique seu próprio suprimento de enzimas proteolíticas, algumas pessoas ainda podem ter deficiências, não sendo verificando os benefícios das enzimas proteolíticas. Geralmente, isso é resultado de um distúrbio como a insuficiência pancreática. Os sintomas da insuficiência pancreática incluem gases, indigestão, desconforto abdominal e eliminação de alimentos não digeridos nas fezes.

Assim sendo, uma pessoa com esses (ou quaisquer outros sintomas) deve consultar um profissional médico. Nunca tente se automedicar em qualquer condição médica potencial com suplementos naturais sem primeiro consultar um profissional de saúde.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *