Como a espondilite anquilosante afeta as mulheres de maneira diferente

Como a espondilite anquilosante afeta as mulheres de maneira diferente

Embora a dor nas costas seja o sintoma característico da espondilite anquilosante que se apresenta tanto em homens quanto em mulheres, outros sintomas associados se apresentam de maneira diferente nas mulheres, muitas vezes levando a diagnósticos tardios e imprecisos.

Por que as mulheres têm menos probabilidade de ser diagnosticadas com espondilite anquilosante?

A espondilite anquilosante é uma doença inflamatória autoimune que causa dor e rigidez na coluna vertebral. Dor nas costas e rigidez são os sintomas mais comuns associados à espondilite anquilosante, que podem ser de natureza crônica e progressiva ou podem ocorrer em episódios que vão e vêm.

Freqüentemente, também há envolvimento das articulações sacroilíacas, entre os ossos do quadril e o sacro; o sacro fica entre a coluna lombar e o cóccix (cóccix) .  Como a espondilite anquilosante é três vezes mais provável de ocorrer em homens do que em mulheres, um diagnóstico correto é muitas vezes esquecido devido a crenças desatualizadas de que a espondilite anquilosante não costuma ocorrer em mulheres e que os sintomas são mais leves, apesar das evidências mostrando que não há diferença significativa na gravidade dos sintomas entre homens e mulheres.

Mulheres com espondilite anquilosante também têm maior probabilidade de serem diagnosticadas erroneamente com outra condição, como artrite reumatoide ou fibromialgia, e aguardam um período de tempo mais longo para serem diagnosticadas corretamente devido às diferenças em como os sintomas de espondilite anquilosante se manifestam em mulheres em comparação com os homens.

A progressão da doença também pode ser mais lenta em mulheres, e pesquisas revelam que leva em média 6,2 anos para que as mulheres sejam diagnosticadas com espondilite anquilosante em comparação com 5,5 anos para os homens.

Sintomas de espondilite anquilosante em mulheres

Embora a dor nas costas e o envolvimento da articulação sacroilíaca sejam comuns em homens e mulheres com espondilite anquilosante, as mulheres apresentam outros sintomas que são menos comuns em homens, como: 

  •  Mais dor a noite
  • Aumento da fadiga
  • Maior rigidez
  • Entesite (inflamação dos locais nos tendões e ligamentos que se fixam aos ossos)

Embora a espondilite anquilosante possa afetar muitas outras áreas do corpo, tanto em homens quanto em mulheres, as mulheres costumam se queixar de mais sintomas que afetam o pescoço, joelhos e quadris.  As mulheres também apresentam mais comumente sintomas inflamatórios e sistêmicos associados à espondilite anquilosante, incluindo: 

Psoríase: uma doença inflamatória crônica da pele que causa manchas escamosas e coceira

Uveíte: uma condição inflamatória que afeta a parte colorida do olho

Doença inflamatória intestinal: uma condição inflamatória que afeta o trato gastrointestinal, como a doença de Crohn e colite ulcerativa

Diferenças de sexo em marcadores de diagnóstico

Além de sintomas diferentes entre homens e mulheres com espondilite anquilosante, também existem marcadores diagnósticos que diferem entre os dois, tornando mais difícil o diagnóstico de espondilite anquilosante em mulheres. 

Citocinas

As células T auxiliares, que são tipos especializados de linfócitos, ou glóbulos brancos, se desenvolvem na glândula timo e desempenham um papel importante na imunidade. As células T auxiliares liberam citocinas, proteínas específicas que ativam as respostas do sistema imunológico, na presença de patógenos invasores, como vírus e bactérias que causam doenças. 

A ativação anormal dessas citocinas, especialmente uma em particular chamada Interleucina 17 (IL-17), costuma estar subjacente a muitos distúrbios autoimunes em que o corpo inicia uma resposta imune para atacar suas próprias células saudáveis. Os níveis séricos de IL-17 no sangue foram encontrados para ser significativamente elevados em homens com espondilite anquilosante, mas não em mulheres, indicando diferenças significativas na apresentação da doença entre os dois sexos.

 Proteína C-reativa

Em comparação com os homens, as mulheres com espondilite anquilosante têm níveis plasmáticos mais baixos de proteína C reativa, uma proteína que circula no sangue e aumenta em resposta à inflamação no corpo.

Diferenças genéticas

Pacientes com espondilite anquilosante apresentam alterações em mais de 3.500 genes não observados em pessoas sem a doença, mas 650 desses genes são expressos de forma diferente em homens e mulheres. Essas diferenças genéticas afetam a degradação dos componentes celulares, a degradação do osso, a cicatrização de feridas, a coagulação do sangue e outros processos celulares.

Por causa dessas diferenças, as mulheres com espondilite anquilosante respondem menos aos medicamentos usados ​​para tratar a espondilite anquilosante e têm maior probabilidade de piorar progressivamente os sintomas. Essas mudanças também tornam mais difícil o uso preciso de exames de sangue para diagnosticar espondilite anquilosante em mulheres.

Homens com espondilite anquilosante costumam ter maior probabilidade de apresentar um maior grau de progressão da doença observada por meio de imagens de raios-X do que as mulheres.

Considerações

Se você acha que pode ter espondilite anquilosante, é importante que advogue por si mesmo para receber o diagnóstico correto. Devido ao equívoco de que as mulheres têm menos probabilidade de ter espondilite anquilosante, os médicos podem ignorar seus sintomas ao considerar as possíveis causas da dor e rigidez que as mulheres sentem. Informe o seu médico sobre quaisquer sintomas incomuns que você esteja experimentando, pois as mulheres costumam apresentar sintomas sistêmicos e padrões de dor diferentes dos homens.

 

Larissa Barbosa

Veja Notícias

Outros artigos

Neuroimunomodulação

IntroduçãoA neuroimunomodulação (NIM) assumiu seu nome e significado e recebeu aceitação apenas recentemente (Spector 198o, Spector & Korneva 1981), mas não...

Ler artigo