Fontes de alginato de amônio e riscos à saúde

O alginato de amônio (E403) é o sal de amônio do ácido algínico. É um polissacarídeo (amido) natural indigestível encontrado em diferentes algas marinhas da família Phaeophyceae (Macrocystis pyrifera, Laminaria digitata, Laminaria cloustoni, Ascophyllum nodosum), como algas marinhas marrons (algas marinhas e destroços). Os alginatos, que são os sais do ácido algínico, podem ser usados ​​como espessantes para alimentos como cremes, geleias, recheios para bolos, cerveja, cereais, vinagres e produtos de soja. Outros produtos alimentares em que pode ser usado incluem refrigerantes, corantes alimentares, compotas, marmeladas e coberturas. Além de ser usado como um espessante, o alginato de amônio também pode ser usado como um emulsificante, um estabilizador e um agente gelificante. Os usos médicos do alginato de amônio incluem preparações para antiácidos como Gaviscon, comprimidos de Bisodol, comprimidos de Asilone e outros. Alguns estudos mostram que os alginatos também são um componente significativo dos biofilmes produzidos por Pseudomonas aeruginosa, um patógeno importante na fibrose cística, um distúrbio que afeta as células que produzem muco, suor e sucos digestivos. Na fibrose cística, os alginatos fazem com que o patógeno seja altamente resistente aos antibióticos. As pesquisas em bioengenharia utilizam alginatos para criar hidrogéis que consistem em micropartículas para estimular a regeneração do tecido cerebral. Ele também está sendo testado na reconstrução óssea, já que as propriedades do alginato de amônio estimulam a bio-reparação. Outros nomes e sinônimos de alginato de amônio incluem: Número CAS 9005-34-9; (C6H11NO6) n; ácido algínico, sal de amônio; polimanurato de amônio; analgina; callatex; collatex ARM extra; digamon; HSDB 1910; protomão; superlóide; e UNII-Q9QKJ39Q3X.

Efeitos nocivos que podem ser causados ​​pelo alginato de amônio

Altas concentrações de alginato de amônio podem resultar em um comprometimento da absorção de ferro. Outros efeitos colaterais incluem inchaço, diarréia e náusea. O alto consumo de alginato de amônio pode resultar em mortalidade materna. Também é rico em sódio, com uma dose contendo mais de um grama de sódio – pode aumentar a pressão arterial de uma pessoa. Indivíduos alérgicos a frutos do mar também podem ter reações alérgicas quando expostos ou ingeridos alimentos que contenham alginato de amônio. A irritação da mucosa ou lesão da mucosa podem surgir de altas doses de alginato de amônio, bem como irritação gastrointestinal. Sistemas corporais afetados por alginato de amônio O alginato de amônio afeta fortemente as glândulas mucosas, o trato gastrointestinal e o sistema respiratório (obstrução). No entanto, a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos classifica o alginato de amônio como Geralmente Reconhecido como Seguro (GRAS). Embora não haja demandas atuais para pesquisas e testes adicionais de alginato de amônio, a falta de informações sobre sua toxicidade pode justificar estudos adicionais.

Resumo

O alginato de amônio é derivado de algas marinhas e é usado para engrossar substâncias alimentares. O alginato de amônio é reconhecido como um ingrediente não tóxico, mas pode causar reações alérgicas em pessoas que são alérgicas a frutos do mar. O alginato de amônio pode afetar o sistema respiratório, o trato gastrointestinal e as glândulas mucosas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *