Hidróxido de cobre – toxicidade, efeitos colaterais, doenças e impactos ambientais

O hidróxido de cobre (II) é o hidróxido de cobre, um metal maleável laranja-avermelhado. Este material normalmente aparece como um pó ou sólido azul-claro. A produção sintética de hidróxido de cobre (II) geralmente envolve a mistura de um hidróxido de sódio com uma solução diluída de sulfato de cobre (II); outro método usa água eletrolizante.

De acordo com o Banco de Dados de Propriedades de Pesticidas, o hidróxido de cobre (II) é um “fungicida de cobre amplamente utilizado” que foi aprovado para uso contra doenças fúngicas e bacterianas em vários países.

Lista de efeitos colaterais conhecidos

Engolir hidróxido de cobre (II) é muito perigoso, pois pode levar ao envenenamento por composto de cobre, cujos sintomas são:

  • Anemia
  • Queimando no peito e abdômen
  • Diarréia
  • Dores de cabeça
  • Náusea intensa
  • Gosto metálico
  • Choque
  • Suando
  • Vômito

Em casos mais graves, o indivíduo ou indivíduos afetados podem excretar fezes pretas ou alcatroadas, expurgar o vômito com sangue ou ficar com icterícia. Se o vômito não ocorrer após a ingestão, pode ocorrer envenenamento sistêmico, que por sua vez pode levar a danos renais e hepáticos, danos capilares generalizados ou até morte.

Embora sua designação como irritante respiratório seja debatida, a inalação de hidróxido de cobre (II) pode levar a complicações de saúde, independentemente. Respirar a fumaça ou poeira deste material pode causar dores de cabeça e suores frios, enquanto a exposição prolongada pode resultar em desconforto ou desconforto respiratório.

O contato direto com hidróxido de cobre (II) pode ser tão perigoso. O contato ocular pode resultar em irritação ocular, lesão ocular, conjuntivite ou mesmo ulcerações e turvação da córnea. O contato dérmico, por outro lado, pode induzir irritação ou inflamação da pele. Pele com cortes, escoriações ou lesões apresentam alto risco de produzir lesões sistêmicas, pois podem servir como vias de entrada para o hidróxido de cobre (II) se infiltrar na corrente sanguínea.

Sistemas corporais afetados por hidróxido de cobre (II)

A ingestão de hidróxido de cobre (II) pode fazer com que o estômago retenha e absorva esse material. Isso pode resultar em lesões tóxicas em vários órgãos e sistemas de órgãos, principalmente:

  • sangue;
  • cérebro;
  • capilares;
  • revestimento gastrointestinal;
  • rins; e
  • fígado.

A inalação de hidróxido de cobre (II) pode causar danos ao sistema respiratório. A exposição a longo prazo de grandes quantidades deste material pode prejudicar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças respiratórias, como pneumoconiose, uma doença pulmonar causada pela respiração de partículas de poeira. Além disso, o hidróxido de cobre (II) pode exacerbar doenças e condições respiratórias pré-existentes, nomeadamente bronquite crónica ou enfisema, uma doença pulmonar de longa duração caracterizada por falta de ar.

Além disso, certas condições hereditárias raras (por exemplo, doença de Wilson) podem fazer com que o corpo acumule cobre durante a exposição. Se forem tomadas medidas para prevenir ou remediar isso, isso pode causar danos irreversíveis ao fígado, rins, ossos, visão ou sistema nervoso central.

Itens que podem conter hidróxido de cobre (II)

Como fungicida, o hidróxido de cobre (II) tem sido usado em:

  • Amêndoas
  • Maçãs
  • Feijões
  • Amora silvestre
  • Brócolis
  • Melões
  • Couve-flor
  • Beringelas
  • Alface
  • Manga
  • Cebolas
  • Pêssegos
  • Peras
  • Pimentas
  • Ameixas
  • Beterraba sacarina
  • Nozes

Como evitar hidróxido de cobre (II)

Aqueles que estão em maior risco de exposição ou contato com o hidróxido de cobre (II) são aqueles que desempenham um papel no manuseio deste material. Como tal, eles devem seguir uma série de etapas e recomendações para minimizar a exposição:

Para armazenamento: Mantenha o hidróxido de cobre (II) em seu recipiente original e armazene-o em uma área fria, seca e bem ventilada, longe de recipientes de alimentos e materiais incompatíveis.

Para manuseio: Evite beber, comer ou fumar nas proximidades de hidróxido de cobre (II).

Para proteção pessoal: opte por luvas resistentes a produtos químicos, aventais de PVC e macacões. Evite usar lentes de contato, pois podem absorver este material e concentrá-las no olho. Tenha sempre à mão um creme de barreira e um creme de limpeza da pele. Certifique-se de que a área de trabalho imediata está equipada com lava-olhos e chuveiros de emergência, caso ocorra exposição.

Para derramamento: Pequenos derramamentos devem ser limpos imediatamente usando procedimentos de limpeza a seco para reduzir a geração de poeira. Derramamentos maiores são perigos moderados que são mais bem limpos pelo método seco ou úmido. As equipes de emergência devem ser alertadas imediatamente e dadas a localização e a natureza do derramamento.

Resumo

A exposição ou contato com hidróxido de cobre (II) pode causar uma ampla gama de problemas de saúde. Por exemplo, a ingestão deste material pode causar náuseas, vômitos e diarreia e pode danificar o fígado, os rins e o revestimento gastrointestinal. Por outro lado, a inalação de hidróxido de cobre (II) pode prejudicar a função dos pulmões e agravar os sintomas de quaisquer doenças pulmonares pré-existentes. Além disso, o hidróxido de cobre (II) pode irritar ou danificar a pele e os olhos.

FONTES:

Sitem.Herts.AC.uk

PMEP.CCE.Cornell.edu

PesticideInfo.or

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *