Metaplasia mieloide agnogênica – causas, efeitos colaterais e tratamentos

Metaplasia mieloide agnogênica – também conhecida como mielofibrose (MF), mielofibrose idiopática crônica, metaplasia mieloide idiopática ou MMM (mielofibrose com metaplasia mieloide) – é a cicatriz espontânea (ou “fibrose”) da medula óssea que interrompe a produção normal de sangue células. A metaplasia mieloide agnogênica geralmente começa lentamente e a condição do paciente se deteriora com o tempo. O distúrbio está geralmente associado a uma variedade de doenças, principalmente distúrbios mieloproliferativos (pré-leucêmicos).

Efeitos colaterais conhecidos da metaplasia mieloide agnogênica

Os fatores de risco para metaplasia mieloide agnogênica incluem:

  • Fumar
  • Exposição à radiação
  • Exposição a certos produtos químicos industriais
  • Quimioterapia
  • Certos vírus (em casos raros)

Os efeitos colaterais da metaplasia mieloide agnogênica incluem:

  • Dor abdominal e plenitude, especialmente logo abaixo do lado esquerdo da caixa torácica
  • Falta de ar, fadiga
  • Suscetibilidade à infecção
  • Hematomas fáceis
  • Sangramento persistente
  • Presença de pedras nos rins
  • Febre
  • Suor noturno
  • Dor no osso
  • Doentio, aparência pálida / palidez

Sistemas corporais prejudicados pela metaplasia mieloide agnogênica

Muitos dos sintomas da metaplasia mieloide agnogênica estão relacionados a anormalidades que afetam a produção dos três principais tipos de células sanguíneas: glóbulos vermelhos e brancos e plaquetas.

Os sintomas específicos e a progressão da mielofibrose primária variam de pessoa para pessoa:

  • Baço anormalmente aumentado (esplenomegalia) – a esplenomegalia pode causar dor ou sensação de plenitude na parte superior esquerda do estômago. Também pode causar dor forte no ombro esquerdo superior (dor referida).
  • Aumento anormal do fígado (hepatomegalia) – ocorre em quase dois terços dos pacientes. A esplenomegalia ou hepatomegalia pode ocorrer devido à hematopoiese extramedular ou a um processo anormal em que as células sanguíneas se desenvolvem fora da medula óssea.
  • Hematopoiese extramedular – também pode causar a formação de massas (ou tumores fibrohematopoiéticos) no trato gastrointestinal, pulmões, pele, fígado, baço e outras áreas do corpo. Os sintomas associados a tumores fibrohematopoiéticos ocorrem por causa da compressão de estruturas próximas ou da função prejudicada de um órgão afetado.
  • Tumores fibrohematopoiéticos no trato gastrointestinal – podem causar sangramento excessivo, tumores no cérebro que podem causar complicações neurológicas e tumores próximos à coluna que podem comprimir a medula espinhal.
  • Dor óssea ou articular – pode se desenvolver mais tarde no curso da doença.
  • Aumento da pressão arterial da artéria principal que leva o sangue ao fígado (hipertensão portal) – Causada pelo excesso de fluxo sanguíneo do baço. Também pode ocorrer aumento da pressão arterial da artéria pulmonar (hipertensão pulmonar).

Alimentos ou nutrientes que podem prevenir a metaplasia mielóide agnogênica

As ervas a seguir podem ser usadas para tratar metaplasia mielóide agnogênica:

  • Genciana – uma erva eficaz que ajuda a melhorar a absorção de nutrientes.
  • Raízes do dente-de-leão – têm um alto teor de ferro que pode ajudar a diminuir os efeitos da doença.
  • Doca amarela – Ajuda a tratar os sintomas da mielofibrose.
  • Urtiga – outra erva útil usada para tratar a mielofibrose.
  • Alfalfa – Uma erva nutritiva, especialmente quando tomada em forma de comprimido.
  • Spirulina – Rica em vitamina B12, a spirulina também contém um fitonutriente chamado ficocianina, que é muito útil para estimular a produção de várias células-tronco para a medula óssea.
  • Raiz de bardana – frequentemente usada para curar muitas doenças.
  • Dong quai – erva chinesa frequentemente usada para tratar os sintomas da mielofibrose.

Tratamentos, planos de gestão para metaplasia mieloide agnogênica

As opções de tratamento para metaplasia mieloide agnogênica incluem:

  • Transplante de medula óssea
  • Infusões de sangue crônicas
  • Terapia quelante de ferro
  • Remoção cirúrgica de partes do baço dilatado (esplenectomia)
  • Quimioterapia, se a doença estiver em estágio inicial, e administração dos seguintes medicamentos: Talidomida, Melfalanina, Interferon-alfa e Inibidores da quinase.

Você também pode gostar

Síndrome de Guillain-Barré: causas, efeitos colaterais e tratamentos

Ciclosporina: usos, riscos à saúde e efeitos colaterais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *