Pancreatite autoimune – causas, sintomas e tratamentos

A pancreatite autoimune (PAI) atinge o pâncreas de uma pessoa. A doença também pode afetar os dutos biliares, rins, e nódulos linfáticos, assim como as glândulas salivares.

PAI pode ocorrer quando o sistema imunológico ataca por engano tecidos, glândulas e órgãos saudáveis do corpo.

A doença tem dois tipos:

  • Tipo 1, ou relacionada com IgG4 – além do pâncreas, pode afetar vários órgãos e sistemas do corpo, como por exemplo dutos biliares, rins, nódulos linfáticos e glândulas salivares.
  • Tipo 2, ou pancreatite idiopática – atinge especificamente o pâncreas. No entanto, pelo menos 30% dos pacientes com este tipo de PAI também podem ter doença inflamatória intestinal (DII).


A pancreatite autoimune também tem outros nomes, a saber: pancreatite esclerosante linfoplasmocitária, pancreatite esclerosante, pancreatite inflamatória primária, pancreatite crónica com estreitamento irregular do ducto pancreático principal e pancreatocolangite esclerosante.

Sintomas conhecidos de pancreatite autoimune

A doença pode, aliás, ser assintomática. Contudo, quando ocorrem, os sintomas podem variar dependendo do paciente.

Os sintomas de PAI são:

  • Perda de apetite
  • Urina de cor escura
  • Icterícia
  • Letargia / fraqueza
  • Náusea e vômito
  • Dor no abdômen e no meio das costas
  • Fezes sem cor, que flutuam e difíceis de enxaguar
  • Perda de peso não intencional

Os fatores de risco para pancreatite autoimune são diferentes para os dois tipos, como por exemplo:

Tipo 1:

  • Ser homem
  • Ter mais de 60 anos


Tipo 2:

  • Tendo DII
  • Ter mais de 40 anos


Sistemas corporais prejudicados

Certamente, a pancreatite autoimune pode causar complicações como uma baixa produção de enzimas e hormônios.

Além disso, a condição pode causar:

Alimentos previnem a pancreatite autoimune

O enfermo a deve limitar o consumo de álcool ou evitá-lo totalmente para que sua condição não piore, ao passo que aumenta o risco de desenvolver pancreatite em homens e mulheres.

De fato, pacientes com PAI também podem se beneficiar de uma dieta com pouca gordura. Ademais, os cálculos biliares, uma das principais causas de pancreatite, podem se desenvolver quando muito colesterol se acumula na bile de uma pessoa. Conforme o fígado produz bile para as gorduras são metabolizadas. Por isso, para reduzir o risco de desenvolver cálculos biliares, faça uma dieta baixa em gorduras, com frutas, vegetais frescos e grãos inteiros.

Para ajudar a prevenir a doença, evite alimentos gordurosos, frituras e laticínios. Níveis elevados de triglicérides, (quantidade de gordura transportada no sangue) aumenta o risco de desenvolver pancreatite aguda.

Igualmente, minimize o uso de sobremesas açucaradas e bebidas com alto teor calórico.

Tratamentos para pancreatite autoimune

O tratamento pode incluir o seguinte:

  • Estente biliar – drena os dutos biliares e alivia a icterícia.
  • Tratamento com insulina – Recomendado se o diabetes for causado por insuficiência de insulina.
  • Suplemento mineral e vitamínico – pode ajudar a tratar as deficiências.

Resumo

A pancreatite autoimune (PAI) atinge o pâncreas de uma pessoa. A doença também pode afetar os dutos biliares, rins, nódulos linfáticos e glândulas salivares.

Os sintomas incluem perda de apetite, urina de cor escura, icterícia e fraqueza.

Além disso, a doença pode causar complicações como diabetes, doenças ósseas metabólicas, deficiências de vitaminas e minerais e icterícia obstrutiva.

Pacientes com pancreatite autoimune devem limitar o consumo de álcool ou evitá-lo totalmente para que sua condição não piore. Para reduzir o risco de cálculos biliares, faça uma dieta baixa em gorduras, com muitas frutas e vegetais frescos, assim como grãos inteiros.

O tratamento pode incluir implante de estente biliar, tratamento com insulina e suplementação de minerais e vitaminas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *