Perigos do canal radicular

Estudos de DNA confirmam as descobertas centenárias do Dr. Weston Price.

Os materiais dentários tóxicos criaram muitos estragos na profissão odontológica, bem como na saúde do paciente, por quase dois séculos.

Obturações dentais de mercúrio, coroas de níquel (principalmente em crianças, chamadas de “coroas de cromo”), canais radiculares e cavitações são alvo de preocupação há muito tempo.

O mercúrio dental foi exposto pela primeira vez como um produto prejudicial à saúde em 1840.

A odontologia finalmente superou a percepção de que colocar mercúrio tóxico na boca pode ser prejudicial à saúde humana; a odontologia organizada ainda considera as obturações atuais contendo 50 por cento de mercúrio como “estado da arte”.

A toxicidade dos canais radiculares foi divulgada pela Clínica Mayo e pelo Dr. Weston Price em cerca de 1910. Quase um século atrás.

O livro didático de Price sobre canais radiculares, publicado em 1922, perturbou as associações dentárias da época, e ainda o faz hoje.

A American Dental Association (ADA), nega suas descobertas e afirma que eles provaram que os canais radiculares são seguros; entretanto, nenhum dado publicado da ADA está disponível para confirmar esta declaração. Declarações, mas nenhuma pesquisa real.

Minha atenção foi atraída para o aumento de doenças autoimunes depois que as amálgamas de alto teor de cobre de 1975 foram iniciadas como obturações de “última geração”, que a ADA afirmava não liberar mercúrio.

Pelo contrário, estudos da Europa descobriram que os amálgamas com alto teor de cobre liberavam cinquenta vezes mais mercúrio do que o amálgama anterior!

Ao observar essas mudanças em relação ao início da doença autoimune, notei um ponto nas estatísticas – um aumento na esclerose lateral amiotrófica (ALS ou doença de Lou Gehrig) em 1976 (ver Figura 1).

Observe na Figura 2 que o número real de casos de esclerose múltipla aumentou tremendamente, de uma média de 8.800 por ano durante o período de 1970 a 1975, para um aumento de até 123.000 em um ano.

Sendo esse ano 1976, a data de nascimento dos amálgamas de alto teor de cobre.

PERIGO DO CANAL NA RAIZ

O mercúrio é o único perigo dentário que pode criar condições favoráveis às doenças autoimunes? Não.

Existem bactérias nos canais radiculares que favorecem a destruição do sistema nervoso e de muitos outros sistemas, resultando na criação de reações autoimunes.

Qual é o denominador comum? A formação de um hapteno. Um hapteno é uma pequena molécula que pode desencadear uma resposta imune apenas quando ligada a um grande transportador, como uma proteína; o portador pode ser aquele que também não provoca uma resposta imune por si mesmo.

Em geral, apenas moléculas grandes, agentes infecciosos ou matéria estranha insolúvel podem provocar uma resposta imunológica no corpo.

As células saudáveis têm um código impresso nelas. É denominado Complexo Principal de Histo-compatibilidade (MHC).

Este é o seu código pessoal denominado “self”. Seu corpo considera outro código ou alteração deste código como “no-self”.

O sistema imunológico é treinado para matar e eliminar qualquer invasor “no-self”.

Se um átomo de mercúrio se liga a uma célula saudável normal, um hapteno é formado e o sistema imunológico imediatamente identifica essa célula como “no-self”.

O sistema imunológico então prossegue para matar a célula contaminada. Se o mercúrio se liga a uma célula nervosa, o resultado é uma doença neurológica, como esclerose múltipla, doença de Lou Gehrig, convulsões ou lúpus.

Se o mercúrio se liga a um local de ligação em um hormônio, essa função endócrina é alterada. O mercúrio pode se ligar a quase qualquer célula do corpo e criar doenças autoimunes nesses tecidos.

Ultimamente, tornou-se evidente que as toxinas de bactérias anaeróbias têm a mesma capacidade de criar doenças autoimunes não próprias, interferindo no MHC.

Este é o projeto que o Dr. Price começou a estudar há um século. A resistência da odontologia organizada era a mesma que é hoje. Price se perguntou por que a odontologia era considerada uma profissão de “saúde”.

Price estava preocupado com as bactérias patológicas encontradas em quase todos os dentes com canal radicular daquela época.

Ele foi capaz de transferir doenças alojadas por humanos a partir de seus dentes extraídos do canal radicular para coelhos, inserindo um fragmento de uma raiz de canal sob a pele na área da barriga de um coelho de teste.

Ele descobriu que fragmentos de canal radicular de uma pessoa que sofreu um ataque cardíaco, quando implantados em um coelho, causariam um ataque cardíaco no coelho em poucas semanas.

A transferência de doenças cardíacas pode ser realizada 100 por cento das vezes. Algumas doenças transferiram apenas 88 por cento do tempo, mas a letra estava na parede.

O Dr. Price descobriu que os canais radiculares continham bactérias capazes de produzir muitas doenças. Eles não tinham lugar no corpo. O que é mais importante? A vida do dente ou a vida do paciente? Este ainda é o principal argumento que enfrentamos hoje.

CANAIS DE RAIZ E DOENÇA NEUROLÓGICA

Considerando a dificuldade de cultivar bactérias anaeróbias, era difícil identificá-las com a tecnologia dos anos 1920. A maioria das bactérias relatadas pela odontologia organizada naquela época eram aeróbios de significado desconhecido.

Hoje, com a análise de DNA disponível, as bactérias anaeróbicas (o tipo perigoso) podem ser identificadas mortas ou vivas pela presença de suas assinaturas de DNA reveladoras.

Vamos voltar aos gráficos de ALS até o ano 2000. Observe um aumento em 1976 e outro aumento na inclinação em 1991.

Em 1990, a associação dentária “sugeriu” que os dentistas realizassem trinta milhões de canais radiculares por ano até o ano 2000. Os dentistas atingiram essa meta em 1999. Pelo que entendi, a barreira agora aumentou para 60 milhões por ano.

O aumento inexplicável de MS (8.800 a 123.000) coincidiu com o advento de amálgamas de alto cobre. O aumento de ALS no mesmo ano é sugestivo da mesma causa.

ALS também aumentou em 1991, como mais canais radiculares foram realizados. Coincidência estatística?

O objetivo da odontologia é salvar os dentes. Os canais radiculares permitem que os dentistas mantenham muitos dentes por anos, em vez de extraí-los, mas essa meta é apropriada considerando o gasto biológico exposto com a pesquisa de DNA? O que é mais importante? Para salvar a vida do dente ou do paciente?

PARAÍSO DAS BACTÉRIAS

O Dr. Price, enquanto chefe de pesquisa da agora extinta National Dental Association, retirou mil dentes extraídos e os fresou como os dentistas normalmente fazem, antes de preencher os canais com cera.

Dr. Price esterilizou os canais com quarenta produtos químicos diferentes, tóxicos demais para serem usados em uma situação humana viva; ele queria ver se os canais poderiam ser esterilizados permanentemente. Depois de quarenta e oito horas, cada dente foi quebrado e cultivado para verificar a presença de bactérias.

Novecentos e noventa em mil bactérias tóxicas cultivadas apenas dois dias após o tratamento com produtos químicos destinados a tornar o dente estéril. De onde vêm essas bactérias?

Uma visão geral da estrutura de um dente (ver Figura 3) mostra a camada externa, conhecida como esmalte, a segunda camada, conhecida como dentina, e a porção interna, conhecida como câmara pulpar, onde vive o nervo.

Do lado de fora do dente está o que é chamado de ligamento periodontal. Os dentes não estão diretamente ligados ao osso.

As fibras saem do dente e se entrelaçam com as fibras que saem do osso, e se unem para formar o que é chamado de ligamento periodontal.

A segunda camada do dente, a dentina, não é realmente sólida, mas composta de minúsculos túbulos dentinários. Em um dente da frente, se todos esses túbulos estivessem presos de ponta a ponta, eles alcançariam mais de cinco quilômetros.

Observe que os túbulos têm espaço adequado para abrigar muitos milhares de bactérias (veja a Figura 4). É aqui que as bactérias se escondiam nos mil dentes que Price testou.

Dos túbulos de dentina, as bactérias podem migrar para a câmara pulpar, onde o espaço é deixado enquanto a guta-percha – uma forma natural de borracha usada para preencher o espaço dentro da raiz limpa – encolhe com o resfriamento, ricocheteando com a força aplicada ao empurre a cera para baixo do canal e perdendo a porção líquida (veja a Figura 5), ou no ligamento periodontal, onde um suprimento abundante de comida os aguarda.

Um dente possui de um a quatro canais principais. Este fato é ensinado na faculdade de odontologia, mas nunca mencionado são os “canais acessórios” adicionais.

Dr. Price identificou até setenta e cinco canais acessórios separados em um único incisivo central (o dente da frente). A Figura 6 mostra um desses canais preenchido com tecido necrótico (morto).

Não há como qualquer procedimento odontológico alcançar esses canais acessórios e limpar o tecido morto. Este tecido necrótico cria um lar para várias infecções bacterianas fora do dente no ligamento periodontal.

Com a adição de alimentos nesta área, as bactérias anaeróbias podem se multiplicar e suas toxinas podem contribuir para o início da doença (ver Figura 7).

Claro, o ápice da raiz (extremidade terminal) é a principal área de concentração de infecção. Mesmo que esta seja a última área a mostrar infecção, a odontologia geralmente considera um dente estéril, a menos que áreas de reabsorção óssea apareçam no raio-X.

Com o resfriamento e o encolhimento da guta-percha, fica um espaço no ápice no qual as bactérias podem se desenvolver, onde nem os glóbulos brancos do sistema imunológico, nem os antibióticos podem alcançá-los.

MICROORGANISMOS TÓXICOS

Nossos primeiros estudos de DNA examinaram bactérias recuperadas de pontas de raízes esmagadas. Podemos identificar oitenta e três espécies bacterianas anaeróbias diferentes com testes de DNA.

Os canais radiculares contêm cinquenta e três espécies diferentes dessas oitenta e três amostras.

Alguns são mais perigosos do que outros e alguns ocorrem com frequência, alguns ocasionalmente. Selecionando aqueles que ocorrem mais de 5 por cento do tempo, descobrimos:

  • Capnocytophaga ochracea
  • Fusobacterium nucleatum
  • Gemella morbillorum
  • Leptotrichia buccalis
  • Porphyromonas gingivalis

Qual a importância disso? Quatro afetam o coração, três os nervos, dois os rins, dois o cérebro e um as cavidades nasais.

Não deveríamos questionar a sabedoria de fornecer um refúgio para esses micróbios tão perto de nosso cérebro e sistema circulatório? Esta informação valida as alegações de canais radiculares “estéreis”?

Os dentistas afirmam que podem “esterilizar” o dente antes de forçar a cera de guta-percha para dentro do canal.

Talvez eles possam esterilizar uma coluna de ar no centro do dente, mas é realmente aí que está o problema? Bactérias vagando para fora dos túbulos dentinários é o que Price estava encontrando, e o que estávamos encontrando nas amostras de dente esmagado. Mas o problema termina aí? Dificilmente.

Só por curiosidade, testamos amostras de sangue adjacentes aos dentes removidos e as analisamos para a presença de bactérias anaeróbias.

Aproximadamente 400 por cento mais bactérias foram encontradas no sangue ao redor do dente com canal radicular do que no próprio dente. Parece que o dente é a incubadora. O ligamento periodontal fornece mais alimento, portanto maior concentração de bactérias.

Mas o vencedor em crescimento patológico estava no osso ao redor do dente morto. Olhando para as necessidades bacterianas, há uma miscelânea de nutrientes bacterianos presentes no osso.

Isso explica o tremendo aumento na concentração de bactérias no sangue ao redor do dente com canal radicular. Tente esterilizar esse volume de osso.

Aparentemente, o sistema imunológico não se importa com as substâncias mortas e apenas a presença de tecido morto fará com que o sistema lance um ataque.

A infecção, mais a reação de rejeição autoimune, faz com que mais bactérias se acumulem ao redor do tecido morto.

Cada vez que uma pessoa com um canal radicular morde, essas bactérias são liberadas para a corrente sanguínea e começam a procurar um novo lar.

A quimiotaxia, ou a atração química de uma bactéria específica por um tecido específico, auxilia os anaeróbios a encontrarem novos locais no coração, sistema nervoso, rim, cérebro, etc., onde realizarão seu dano primário.

Muitas das bactérias no osso circundante estão presentes em muito mais de 50 por cento das amostras testadas.

Streptococcus mutans foi encontrado em 92 por cento das amostras de sangue. Pode causar pneumonia, sinusite, otite média, meningite e cáries dentárias.

Streptococcus mitis foi encontrado 92 por cento das vezes. Este micróbio ataca o coração e os glóbulos vermelhos.

É um inseto bastante robusto, pois foi à lua (escondido em uma câmera) em uma expedição não tripulada, ficou lá mais de dois anos em um ambiente sem atmosfera, exposto a temperaturas de 250 graus Fahrenheit durante o dia, menos 250 no sombra.

Ao retornar à Terra com os astronautas da Apollo 12, mais de dois anos depois, esse micróbio ainda estava vivo.

Em humanos, o S. mitis se liga às plaquetas e está envolvido na patogênese da endocardite infecciosa. Quer esse cara morando no seu canal do dente morto?

Das oito principais bactérias no sangue adjacente aos dentes do canal radicular, cinco afetam o coração, cinco o sistema nervoso, duas o rim, duas o fígado e uma ataca os seios da face do cérebro, onde matam os glóbulos vermelhos.

Destes, Prevotella intermedia (presente em 76 por cento das amostras) ataca o coração, rins e seios da face; Strep intermedius (presente em 69 por cento das amostras) ataca o coração, nervos, pulmões, fígado e cérebro.

O exame de DNA de canais radiculares extraídos mostrou contaminação bacteriana em 100 por cento das amostras testadas. Isso é exatamente o oposto das afirmações oficiais de que os canais radiculares têm 97% de sucesso. Eles precisam de uma nova definição de sucesso?

CAVITAÇÕES

Cavitações são o próximo grande problema resultante de procedimentos odontológicos. Cavitações são áreas de osso não cicatrizado que sobraram após a extração de um dente (ver Figura 8).

Os dentistas geralmente são ensinados a remover um dente e deixar o ligamento periodontal na cavidade, um procedimento que seria como dar à luz um bebê e deixar a placenta no útero.

Essas áreas de encaixe com o ligamento deixado no lugar raramente cicatrizam. Após a remoção do dente, uma capa de cerca de 2 milímetros (um dezesseis avos de polegada) cobre o local da extração, deixando um orifício do tamanho da raiz do dente para trás.

Em registros de cinco mil desbridamentos cirúrgicos (limpeza) de cavitações, apenas dois foram encontrados curados.

Quando o ligamento periodontal é deixado no osso, o corpo sente que o dente ainda está lá, e o pedido de cicatrização é cancelado.

Esses orifícios são revestidos com muitas das mesmas bactérias encontradas nas cavidades do canal radicular, mas, na verdade, mais espécies diferentes.

Enquanto os dentes com canal radicular contêm até cinquenta e três espécies diferentes de bactérias, as cavitações produzem até oitenta e duas das oitenta e três que testamos.

Das cinco bactérias mais freqüentemente presentes nas cavitações, três afetam o coração, duas o sistema nervoso e uma os rins e os pulmões. Eles são os seguintes:

Streptococcus mutans (ocorrência em 63 por cento das amostras), afeta o sistema nervoso, pode causar pneumonia, sinusite, otite média e meningite.

Também foi responsabilizado por causar cárie dentária nos dentes, mas isso pode ser mais o resultado do fluxo de fluido puxando as bactérias para o dente do que a invasão ativa real pelas bactérias.

Porphyromonas gingivalis (ocorrendo em 51 por cento das amostras), danifica o rim, altera a integridade do revestimento endotelial dos vasos sanguíneos e induz células espumosas de macrófagos, contribuindo para a aterogênese.

Ele contém proteases que lisam os glóbulos vermelhos e extraem nutrientes (principalmente ferro) dos glóbulos vermelhos.

Essa ação é chamada de formação de porina, que pode destruir os glóbulos vermelhos rapidamente. (A propósito, P. gingivalis pode regular para cima e para baixo cerca de quinhentas proteínas diferentes essenciais para manter nossas ações bioquímicas normais.)

Candida albicans (presente em 44 por cento das amostras), em sua forma de levedura é benéfica no processo de desmetilação do metil-mercúrio bem como sua capacidade de destruir bactérias patogênicas no trato intestinal.

Quando convertida na forma fúngica por uma mudança no PH do sistema digestivo, a candida pode penetrar na parede intestinal, deixando buracos microscópicos que permitem que toxinas, partículas de alimentos não digeridos, bactérias e outras leveduras entrem na corrente sanguínea.

Essa condição é às vezes chamada de Síndrome do Intestino Vazio, que pode levar a intolerâncias ambientais.

Prevotella intermedia (taxa de ocorrência de 44 por cento) tem como principal preocupação a doença cardíaca coronária (DCC). P. intermedia invade células endoteliais da artéria coronária humana e células do músculo liso.

Geralmente está localizado em placas ateromatosas. A invasão celular do músculo cardíaco é fundamental para o processo infeccioso.

ANTIBIÓTICOS

Então, se todas essas doenças de “etiologia desconhecida”, ou seja, de origem desconhecida, são resultado de invasão bacteriana, por que não inundar o corpo com antibióticos? Eles matam bactérias, não é? Você já ouviu falar de alguém que estava doente, tomou antibióticos e piorou ainda mais? A maioria de nós já ouviu a história.

Talvez as informações a seguir expliquem o que acontece nesses casos e por que os antibióticos não podem ser usados em infecções dessa natureza.

A maioria dos antibióticos é “bactericida” – pense suicida ou homicida. Os antibióticos matam, mas este não é o mesmo tipo de morte pelo qual John Wayne foi conhecido.

Quando ele atirou no bandido, o bandido caiu morto. Foi então presumido como enterrado. Mas quando os antibióticos bactericidas matam uma bactéria, a bactéria explode (veja a Figura 9).

Os fragmentos não são eliminados imediatamente, pois cada pedaço é um lipopolissacarídeo chamado endotoxina.

Em contraste, as exotoxinas são os produtos químicos tóxicos que são liberados por bactérias patogênicas, e as endotoxinas são entidades tóxicas (fragmentos da bactéria original) que são o resultado da explosão bacteriana causada pelo antibiótico.

As endotoxinas representam um grande desafio para o sistema imunológico, por enquanto, em vez de enfrentar uma bactéria, ele precisa processar e eliminar talvez cem endotoxinas. Com dezenas de bactérias para enfrentar em cada canal radicular ou cavitação, nenhum antibiótico pode matar todos eles e, se houvesse um, os cadáveres bacterianos mortos resultantes sobrecarregariam o corpo e produziriam doenças maiores ou morte.

Antibióticos de amplo espectro não podem ser usados por esse motivo. Às vezes, até mesmo uma cápsula de antibiótico produz mais problemas do que o sistema imunológico pode tolerar.

Além disso, é claro, são necessárias apenas duas ou três cápsulas para esterilizar completamente o intestino de seus quatro ou mais quilos de bactérias amigáveis.

Os antibióticos são muito mais poderosos e potencialmente devastadores do que eu jamais pensei que fossem. Os antibióticos devem ser usados com extrema cautela, não administrados rotineiramente por dez dias ou mais após a cirurgia oral, “apenas no caso”.

Existem outras maneiras de controlar esses micróbios, e várias delas estão sendo testadas no momento.

É vantajoso ter vitamina C intravenosa e, ocasionalmente, um antibiótico que não mata é adicionado a esta solução. Essa combinação reduz o desafio para o sistema imunológico, mas, no geral, os canais radiculares representam a situação difícil.

Deixe o canal radicular ou a cavitação no corpo e existe o potencial de criar uma doença autoimune ou degenerativa indesejada que pode ser fatal.

Toxinas e bactérias podem vazar desses locais de contaminação, causando estragos nos sistemas cardiovascular, endócrino, nervoso e imunológico de uma pessoa.

O público precisa ser informado, para que possa fazer escolhas informadas sobre a troca entre conveniência tóxica e saúde.

A remoção do dente afetado apresenta problemas que devem ser enfrentados, ou outros problemas podem ser induzidos – problemas não tão perigosos quanto o derramamento bacteriano contínuo, mas aqueles que precisam ser evitados, se possível.

Para permitir que o sistema imunológico se concentre na cura, todos os outros materiais odontológicos agressivos devem ser removidos (mercúrio, cobre, implantes, tatuagens e coroas de níquel) para que o sistema imunológico possa lidar com o desafio bacteriano em vez das bactérias e metais tóxicos .

A nutrição deve ser calculada a partir do aspecto da química do sangue compatível com a dieta ancestral de cada um e em linha com os princípios dietéticos formulados pelo Dr. Price.

A recuperação de um tratamento de canal é complicada, mas vale a pena salvar a vida do seu paciente.

Esses estudos em análise de DNA de bactérias em canais radiculares e cavitações confirmam o fato de que o Dr. Weston Price, apesar de estar um século à frente de seus colegas, estava absolutamente correto ao determinar que canais radiculares carregados de bactérias não têm lugar no corpo das pessoas interessadas em sua saúde.

Esse derramamento de lixo tóxico pode ser interrompido, mas não com a ajuda de associações de dentistas, que continuam a insistir que o procedimento de canais radiculares é perfeitamente seguro.

O recente aumento na cota sugerida de até sessenta milhões de canais radiculares por ano não é do melhor interesse de seus pacientes, nem pode fazer nada além de aumentar os custos de saúde para o paciente inocente.

Dr. Price estava certo. Os canais radiculares não valem o preço.

DESCUBRA PRODUTOS PARA PREVENIR E SOLUCIONAR OS PROBLEMAS MENCIONADOS CLICANDO AQUI!

CURIOSIDADES

Hapteno

Um hapteno é uma pequena molécula que pode desencadear uma resposta imune apenas quando ligada a um grande transportador, como uma proteína ou metal tóxico, como o mercúrio; o portador pode ser aquele que também não provoca uma resposta imune por si mesmo.

Em geral, apenas moléculas grandes, agentes infecciosos ou matéria estranha insolúvel podem provocar uma resposta imunológica no corpo.

Uma vez que o corpo tenha gerado anticorpos para um aduto portador de hapteno, o hapteno de pequena molécula também pode ser capaz de se ligar ao anticorpo, mas geralmente não iniciará uma resposta imune; normalmente, apenas o aduto portador de hapteno pode fazer isso.

BACTÉRIAS À PROCURA DE CANAIS DE RAIZ

Vejamos as cinco principais espécies de bactérias que se escondem nos canais radiculares mais de perto, tendo em mente que essas são apenas cinco das cinquenta e três que são encontradas rotineiramente em dentes com canal radicular.

Capnocytophaga ochracea: Encontrada em abscessos cerebrais associados à fonte de infecção dentária. Causa doenças humanas no sistema nervoso central. Também relacionado a septicemia e meningite.

Fusobacterium nucleatum: Produz toxinas que inibem a divisão celular dos fibroblastos e os processos de cicatrização de feridas. Causa infecção no coração, articulações, fígado e baço.

Gemella morbillorum: ligada à endocardite invasiva aguda, artrite séptica e meningite.

Leptotrichia buccalis: Reduz o número de neutrófilos (um glóbulo branco de importância crítica), diminuindo assim a competência imunológica.

Porphyromonas gingivalis: destrói os glóbulos vermelhos ao fazer orifícios (porinas) neles, fazendo com que a célula “sangre até a morte”.

Baixas contagens de glóbulos vermelhos que não se recuperam após a revisão dentária estão frequentemente respondendo à atividade porina desse micróbio.

P. gingivalis também altera a integridade do revestimento endotelial dos vasos sanguíneos, o que leva à inflamação e sangramento no revestimento interno dos vasos sanguíneos.

Esta é a etapa chave na formação da aterogênese que leva aos ataques cardíacos. P. gingivalis pode transformar bactérias amigáveis em patógenos.


REFERÊNCIAS

1. Brune, D, Metal release from dental biomaterials, Biomaterials, Vol. 7, May 1986.

2. Steinman, RR, Leonora, J, Relationship of fluid transport through the dentin to the incidence of dental caries. J Dental Research, Vol. 50, No. 6, Nov-Dec 1971.

3. Price, WA, Dental Infections, Oral and Systemic, Vol. I, Penton Pub Co. Ohio, USA, 1923.

4. J. Clin Microbiology Vol. 45, No. 2 p. 645-647.

5. Apoptic cell death in PMNs, J. Infection and Immunology Vol. 68, No. 4, April 2000, p. 1893-1898.

6. Can Family Physician Vol. 53, No.9 Sept. 2007 p. 1451-1453.

7. J. Med Microbiology Vol. 56 2007 p. 1689-1691.

8. Anaerobe Vol. II Issue 6 Dec 2005 p. 350-353.

9. JSTOR: Clinical infectious diseases Vol. 25 Sept 1997 p. 5284-5286.

10. Science.nasa.gov/science-news/science-at-has a Sept. 1, 1998

11. Archives of Internal Medicine Vol. 166 No. 5 Mar 13, 2006, PP 554-559.

12. Todar’s Online Textbook of Bacteriology, Kenneth Todar, PhD 2008.

13. Journal of Nutrition Vol. 130 p.4105-4145 – PubMed.

14. Personal communication, Dr. Blanche Grube.

VEJA MAIS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *