Varíola por riquétsia – causas, sintomas e tratamentos

Varíola por riquétsia – causas, sintomas e tratamentos

A varíola por riquétsia é uma infecção causada pela bactéria Rickettsia akari. A bactéria é geralmente encontrada em ratos. No entanto, os transmissores para os humanos são ácaros que habitaram ratos previamente.

A doença é mais comum nos EUA, Rússia, Coréia e também no continente Africano.

A varicela tem sintomas leves. No entanto, eles podem variar de sintomas semelhantes aos da gripe a erupções cutâneas generalizadas. Além disso, as glândulas linfáticas também podem ser afetadas em alguns casos.

A doença é autolimitada, na maior parte das vezes. Contudo, para preveni-la, a regulação da população de ratos na comunidade é necessária. Dessa forma, elimina-se os ácaros transmissores.

Fatores de risco e sintomas de varíola por riquétsia


Não existe predisposição para a doença – o ácaro pode picar e transmitir a varíola para qualquer pessoa. No entanto, pessoas em locais de trabalho ou residências com roedores têm maior probabilidade de contrair a infecção.

Na verdade, o ácaro do rato (Liponyssoides sanguineus) é o principal transmissor da infecção ao homem. Os ácaros têm um padrão de alimentação semelhante ao dos carrapatos. Porém, os ácaros não se fixam por longos períodos. Por isso, é difícil você se lembrar se foi mordido, uma vez que foi infectado.

A varíola riquetsial começa com um caroço (nódulo) vermelho, firme e indolor, no local da picada. Todavia, o nódulo se enche de um fluido que estoura e forma uma crosta. A ferida pode chegar até 2,5 cm de largura.

O período de incubação da varíola riquetsial é de seis a quinze dias, após os quais os seguintes sintomas aparecerão:

  • Fotofobia (desconforto sob luz forte)
  • Febre e calafrios
  • Dor muscular
  • Erupção generalizada
  • Suor
  • A erupção, embora generalizada, não é dolorosa e desaparece após uma semana.

Sistemas corporais afetados


A doença pode afetar a maioria das partes do corpo, mas nenhuma complicação está ligada à varíola por riquétsia.

Alimentos ou nutrientes que podem prevenir a varíola riquetsial


Atualmente, não há itens alimentares que possam prevenir ou aliviar a doença.

Tratamentos para a varíola por riquétsia


A varíola por riquétsia é uma doença autolimitada e os sintomas geralmente desaparecem após cinco a sete dias. No entanto, os profissionais de saúde recomendam a administração oral de doxiciclina para acelerar a recuperação.

Como os carrapatos, os ácaros são criaturas minúsculas que podem ser difíceis de detectar. Por isso, elencamos aqui algumas medidas recomendadas para evitar pequenas picadas de insetos:

  • Use roupas escuras e bem ajustadas. Um estudo mostrou que roupas de cores escuras atraem menos insetos do que roupas de cores claras. Recomenda-se usar camisetas de manga comprida, meias justas para evitar que os insetos entrem por baixo e um lenço para que não grudem no couro cabeludo.
  • Use repelentes naturais. Aplique nas partes expostas do corpo e deixe assentar na pele para prevenir a transmissão de doenças.
  • Tome conta dos seus animais de estimação. Carrapatos, pulgas e ácaros podem facilmente se prender à pele do animal, se escondendo entre os pelos. Pegue-os com uma pinça fina e puxe-os para fora lentamente.
  • Além disso, você pode usar ervas repelentes em casa ou no trabalho, para amenizar a infestação.

Aprenda mais

As 10 melhores maneiras de aumentar sua imunidade

Tinea manuum – causas, sintomas e tratamentos

Sangue de Dragão – Tudo o que você precisa saber!

A varíola por riquétsia é uma infecção causada pela Rickettsia akari.

A bactéria Rickettsia akari geralmente é encontrada em camundongos. Contudo, ela é transmitida às pessoas quando elas são expostas a ácaros de animais infectados.

A varíola riquetsial começa com um nódulo vermelho firme e indolor no local da picada.

O período de incubação da varíola é de 6 a 15 dias.

A doença pode afetar a maioria das partes do corpo, mas nenhuma complicação está ligada à varíola por riquétsia.

Para prevenir a doença é preciso regular a população local de ratos.

Joachim Emidio Ribeiro

Veja Notícias

Outros artigos