Via acessória – causas, efeitos colaterais e tratamentos

A taquicardia da via acessória, mais comumente conhecida como síndrome de Wolff-Parkinson-White (WPW), é caracterizada por uma extensão anormal do tecido, chamada via acessória, conectando os átrios e os ventrículos. Esta via anormal está presente no nascimento e resulta da separação incompleta das partes superior e inferior do coração.

A via acessória é uma anormalidade no desenvolvimento do sistema elétrico do coração que altera o ciclo cardíaco. Os batimentos cardíacos normais começam no nó sinoatrial (SA) localizado no átrio direito. A partir daí, a atividade elétrica se espalha para os átrios direito e esquerdo, o que os faz se contraírem. Esses impulsos então viajam para o nó atrioventricular (AV), que permite que as correntes elétricas passem dos átrios para os ventrículos e, assim, permitem que os ventrículos se contraiam.

Esse processo é o que define um ciclo cardíaco normal e é chamado de taquicardia normal. No entanto, com uma “fiação” anormal, a via acessória direciona esses impulsos do nodo SA para longe do nodo AV, o que faz com que o coração se contraia de forma irregular (taquiarritmia). Para simplificar, um caminho acessório é uma espécie de “atalho” que ignora os nós elétricos vitais que facilitam o batimento cardíaco normal.

Efeitos colaterais conhecidos da via acessória

A taquicardia da via acessória é frequentemente descrita como frequência cardíaca acelerada ou palpitações cardíacas. Pessoas com taquicardia da via acessória apresentam aumento da frequência cardíaca com pouca frequência, mas alguns indivíduos podem apresentar uma ou duas vezes por semana ou mais.

Algumas pessoas não apresentam sintomas e as anormalidades só são encontradas em testes cardíacos feitos para outros fins. Pessoas com taquicardia da via acessória sintomática podem sentir dores no peito, pulsações no pescoço, falta de ar, tontura, fadiga, sudorese, desmaio e, às vezes, parada cardíaca.

Os bebês podem apresentar efeitos colaterais como irritabilidade, intolerância às mamadas, história de não comportamento normal por um a dois dias e doença febril inter corrente. Sistemas corporais prejudicados pela via acessória A taquicardia da via acessória afeta principalmente o coração, mas também pode afetar outros sistemas do corpo, incluindo o sistema respiratório, se surgirem complicações devido à rapidez súbita dos batimentos cardíacos.

Os indivíduos que apresentam aumento da frequência cardíaca por taquicardia de via acessória devem evitar itens que contenham cafeína, tabaco, álcool e pseudoefedrina (um descongestionante nasal), pois esses itens são conhecidos por aumentar a frequência cardíaca ainda mais. Os especialistas também sugerem uma dieta com baixo teor de sal e colesterol e evitar esportes que sejam muito agressivos ou muito competitivos. Isso inclui ocupações de “alto risco”, incluindo profissões no exército, força policial ou piloto de avião. Tratamentos, planos de gestão para via acessória Existem três tratamentos principais para taquicardia de via acessória: Manobras vagais – essas técnicas foram projetadas para diminuir os sinais elétricos em seu coração. Um exemplo é a chamada “manobra de Valsalva”, em que você prende a respiração e faz força como se estivesse no banheiro.

Medicação – A taquicardia da via acessória pode ser tratada com injeção de adenosina se as manobras vagais não ajudarem. Cardioversão – este é um tipo de terapia de choque elétrico que faz o coração voltar ao ritmo normal. Isso é feito como último recurso, quando os tratamentos acima mencionados não funcionam de todo. Ablação por cateter – Este é um procedimento que visa destruir a parte extra do coração, causando problemas no sistema elétrico do coração. É eficaz em 95 por cento dos casos.

Resumo

A taquicardia da via acessória é uma anormalidade cardíaca congênita que causa frequências cardíacas irregulares repentinas. A taquicardia da via acessória é encontrada desde o nascimento, mas pode não ser detectada se não surgirem sintomas. A taquicardia da via acessória é tratável por meio de medicamentos e procedimentos médicos, mas pode ser controlada com mudanças no estilo de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *