Os 7 principais fatores que causam doenças autoimunes

Os 7 principais fatores que causam doenças autoimunes

Doenças autoimunes, como lúpus, artrite reumatóide e EM, afetam mais de 250 milhões de pessoas em todo o mundo. Nos Estados Unidos, eles são a terceira doença crônica líder, atrás de doenças cardiovasculares e câncer.

  • Você, um amigo ou membro da família foi diagnosticado com uma doença auto-imune?
  • Você tem histórico familiar de autoimunidade e quer aprender como evitá-la?
  • Você é um profissional de saúde que deseja tratar melhor seus pacientes autoimunes?
  • Se isso soa como você, ou apenas deseja aprender mais sobre como tratar e reverter essas condições, então este artigo é para você!

Você aprenderá o que acredito serem os 7 principais fatores que causam doenças autoimunes, para que possa entender por que temos uma epidemia de inflamação crônica e autoimunidade.

Pesquisa de doenças autoimunes

Com base em estudos com gêmeos, sabemos agora que 25% das doenças autoimunes são genéticas e os outros 75% são ambientais (1). Pessoalmente, acredito que existem 7 fatores ambientais principais que causam doenças autoimunes:

  1. Sensibilidade ao Glúten
  2. OGM
  3. Disfunção intestinal
  4. Estresse Neurológico
  5. Toxinas
  6. Estresse e fadiga adrenal
  7. Infecções

Cada um desses é um pedaço da torta – para alguns, um pedaço pode ser maior – mas todos desempenham um papel em algum grau. Como clínico, concentro-me em abordar todas essas 7 áreas para ajudar as pessoas a superar suas condições autoimunes. Aqui está a justificativa e algum suporte de pesquisa para cada área.

Sensibilidade ao glúten

O glúten é a proteína comum encontrada no trigo, cevada, kamut, espelta e centeio. O glúten é uma proteína de armazenamento pegajosa que desafia o trato digestivo. O glúten geralmente se liga à parede do intestino delgado, onde pode causar distúrbios digestivos e do sistema imunológico.

Alergias ao glúten totalmente desenvolvidas criam a destruição das vilosidades do intestino delgado (bolsas que permitem a absorção de nutrientes). Esta condição é chamada de doença celíaca, mas não é oficialmente diagnosticada até que haja danos graves o suficiente no tecido intestinal para se qualificar para os critérios de diagnóstico de celíaca.

A sensibilidade ao glúten não celíaca (NCGS) é uma epidemia que é um importante fator contribuinte para doenças inflamatórias e autoimunes. Para esses indivíduos, o consumo de glúten cria uma resposta crônica ao estresse que inflama várias regiões do corpo.

O NCGS está altamente associado a doenças inflamatórias de todos os tipos. É também um fator contribuinte em muitas doenças autoimunes, como doença celíaca, artrite reumatóide, diabetes tipo I, distúrbios neurológicos, tireoidite de Hashimoto, cardiomiopatia autoimune, linfoma e dermatite herpetiforme (doença de pele), entre outras. Também está relacionado como um fator contribuinte na asma, alergias e eczema.

OGMs

Em seu documento de posição, o AAEM apresenta vários estudos com animais que indicam riscos extremos à saúde associados aos alimentos GM. Alguns dos riscos à saúde incluem infertilidade, disfunção imunológica, reações alérgicas, envelhecimento acelerado, desregulação da insulina, mau funcionamento de órgãos e disfunção digestiva.

O AAEM citou em seu artigo, “Há mais do que uma associação casual entre alimentos GM e efeitos adversos à saúde. Existe causalidade, conforme definido por critérios científicos reconhecidos. A força da associação e consistência entre alimentos GM e doenças é confirmada em vários estudos com animais.

Disfunção intestinal

O intestino desempenha um papel em mais de 80% do sistema imunológico e tem uma conexão direta com o cérebro através do nervo vago. O equilíbrio bacteriano deficiente ou disbiose está associado a todos os distúrbios do trato digestivo, bem como a condições autoimunes e problemas psicológicos e comportamentais. A saúde do corpo e da mente depende especialmente da saúde do microbioma humano.

Quando o sistema digestivo é danificado, leva à absorção inadequada de nutrientes e ao aumento de substâncias tóxicas no corpo (9). Esta é uma das principais causas de doenças crônicas. Por exemplo, o excesso de levedura produz substâncias tóxicas que podem atravessar a barreira hematoencefálica e alterar o funcionamento neurológico, causando “névoa cerebral”, problemas de comportamento e dificuldades de aprendizagem.

Estresse neurológico

O sistema nervoso e o sistema imunológico são conectados e trabalham juntos para criar respostas ótimas para o corpo se adaptar e curar de forma adequada. Disfunções neurais devido a desalinhamentos da coluna vertebral são estressantes para o corpo e causam alterações anormais que levam a uma resposta imunológica mal coordenada.

Trauma de nascimento, má postura ao longo do tempo e outros traumas, como acidentes de carro e quedas, afetam e estressam a coluna vertebral. Em particular, essas coisas podem danificar a vulnerável coluna cervical superior, que é extremamente estressante para o corpo. As ramificações do aumento dos hormônios do estresse no corpo incluem glândulas adrenais sobrecarregadas, diminuição da imunidade, diminuição das funções digestivas, fadiga e distúrbios da pressão arterial.

Subluxação é o termo que designa os desalinhamentos da coluna que causam compressão e irritação das vias nervosas que afetam os sistemas orgânicos do corpo. Subluxações são um exemplo de estresse nervoso físico que afeta o controle neuronal. De acordo com os pesquisadores, o estresse neurológico leva a medidas alteradas da função imunológica e aumento da suscetibilidade a uma variedade de doenças.

Consultar um quiroprático para ajudar a reduzir as subluxações e fazer exercícios de postura específicos que examino em detalhes neste artigo, juntamente com possivelmente algumas outras terapias corporais, como massagem, pode ser extremamente útil para sua coluna e sistema nervoso.

Toxinas e capacidade de desintoxicação


O mundo moderno está cheio de toxinas ambientais e estas desempenham um papel no desenvolvimento de doenças autoimunes. Estima-se que existam mais de 80.000 produtos químicos tóxicos usados ​​regularmente nos Estados Unidos. Existem mais de 500 produtos químicos armazenados em nosso corpo e o indivíduo médio tem pelo menos sete pesticidas testados em sua urina (15). É imperativo ter um estilo de vida diário de desintoxicação para retirar essas toxinas indesejadas de nosso sistema.

O corpo tem um sistema de desintoxicação metabólica embutido para resolver esse problema, convertendo toxinas solúveis em gordura em metabólitos solúveis em água inativos. Esse processo é realizado por uma série de enzimas que transformam, conjugam (anexam) e transportam as toxinas para fora do corpo.

Muitos indivíduos têm polimorfismos genéticos que dificultam sua capacidade de desintoxicação. Outros tiveram seus sistemas de desintoxicação sobrecarregados, resultando em baixo teor de glutationa e elementos de metilação. Sem esses fatores-chave, esses indivíduos são incapazes de se adaptar e desintoxicar, o que permite que o estresse oxidativo e a inflamação sejam amplificados.

Estresse e hormônios


O estresse crônico de baixo grau é uma epidemia moderna que cria um metabolismo lento, inflamação crônica e imunidade anormal. Esse estresse esgota o corpo de nutrientes essenciais e causa a oxidação de vários elementos celulares. Níveis elevados de hormônio do estresse podem criar problemas digestivos e síndrome do intestino permeável, aumento do apetite, ganho de peso, distúrbios da tireoide e degeneração cerebral acelerada (16).

Essas são descobertas comuns no cérebro de pessoas com transtornos de ansiedade, depressão e outros transtornos psicológicos. Muitas condições autoimunes elevaram cronicamente a produção do hormônio do estresse como um catalisador para essa resposta imune anormal (17).

Viver em um estado de medo é extremamente destrutivo para a fisiologia humana. O medo impulsiona os hormônios do estresse que utilizam todos os recursos essenciais do corpo e deixam o sistema drenado após um período de tempo.

Infecções

As infecções parasitárias crônicas estão relacionadas à permeabilidade intestinal e síndrome do intestino permeável, síndrome do intestino irritável, movimentos intestinais irregulares, má absorção, gastrite, refluxo ácido, doenças de pele, dor nas articulações, alergias sazonais e alimentares e imunidade diminuída.

Outras infecções importantes incluem herpes, doença de Lyme, vírus do papiloma humano e citomegalovírus, H. pylori, crescimento excessivo de bactérias no intestino delgado (SIBO) e crescimento excessivo de candida. Existem muitos outros, mas todos eles drenam o sistema imunológico e causam reações anormais que podem resultar em doenças autoimunes.

Joachim Emidio Ribeiro

Veja Notícias

Outros artigos

TERAPIA DE CÁPSULA BIOIDÊNTICA

Depois de tomar a decisão de tratar seu desequilíbrio hormonal com hormônios bioidênticos, a próxima decisão que precisa ser feita entre você e seu médico é o (s) m...

Ler artigo