Fontes de hélio e riscos à saúde

O hélio (E939) é um gás natural inerte que é o segundo elemento mais leve e o segundo mais abundante no universo (depois do hidrogênio). O hélio foi descoberto por Sir William Ramsay em 1895. É incolor, inodoro e insípido. O hélio é freqüentemente usado em produtos embalados, como enlatados, para prevenir a oxidação e o crescimento de micróbios. O hélio não é combustível e não suporta combustão. Os usos do hélio além da embalagem de alimentos incluem itens e procedimentos médicos, como tratamentos com oxigênio e como veículo para anestésicos gerais. Outros nomes e sinônimos para hélio incluem o número CAS 7440-59-7; Número CAS 71086-78-7; Número CE 231-168-5; Número EC 275-187-7; hélio atômico; hélio-4; p-hélio; o-hélio; [Ele]; e hélio (0). Suas propriedades físicas incluem a capacidade de solidificar criogenicamente outros gases quando transportados como um líquido. O hélio líquido é frequentemente usado em pesquisas criogênicas e como refrigerante de reator nuclear. Clinicamente, o hélio é usado em pacientes que não recebem oxigênio suficiente devido a bloqueios nos pulmões. O hélio remove a obstrução das vias aéreas superiores e auxilia na asma e nos casos de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC). Ele também pode ser usado no lugar do monóxido de carbono durante procedimentos cirúrgicos, como operações laparoscópicas, porque diminui o risco de o paciente desenvolver acidose respiratória. Outros usos médicos do hélio incluem servir como um ímã supercondutor em scanners de imagem por ressonância magnética (MRI) e espectroscopia de ressonância magnética nuclear (NMR). No entanto, o hélio pode ser perigoso e só deve ser usado sob a supervisão de um especialista médico autorizado e licenciado. Os usos não médicos do hélio incluem refrigerante de instrumentos de satélite, oxigênio líquido de resfriamento e hidrogênio para veículos espaciais Apollo e fornecem uma atmosfera protetora para a fabricação de fibras ópticas e semicondutores.

Efeitos nocivos que podem ser causados ​​pelo hélio

O hélio, quando inalado em grandes doses, pode causar tonturas e asfixia (privação de oxigênio). O contato da pele com o hélio líquido pode causar queimaduras pelo frio, ferimentos graves e congelamento. Em caso de inalação, a vítima deve ser transferida para uma área aberta com ar fresco. Em contato com a pele, trate a área afetada com água morna para descongelar as partes congeladas. De acordo com um relatório da Flórida em 2010, aproximadamente 20 por cento de todas as mortes por inalantes na Flórida envolveram hélio. Algumas crianças compram balões para inalar o hélio em seu interior e produzir um som vocal minúsculo e “fofo”. Algumas empresas até promovem a chamada “diversão” da inalação de hélio, empresas como a Toys R Us, Hallmark Cards, Mars Candy, Geico e FedEx. Algumas das mortes relacionadas ao hélio registradas incluem uma garota australiana em Victoria em 1998; um jovem de Vancouver, Canadá, em 2003; e um estudante do ensino médio de Oregon em 2012.

Sistemas corporais afetados por hélio

O hélio é um gás e pode ser inalado, causando lesões nos pulmões e no restante do sistema respiratório. Na forma líquida, pode causar danos dérmicos e lesões graves nas falanges. A morte pode ser o resultado da inalação constante de hélio.

Resumo

O hélio é um gás nobre utilizado na embalagem de alimentos e para fins medicinais. O hélio pode causar tonturas e asfixia quando inalado. O hélio, em sua forma líquida, pode causar queimaduras na pele e ulcerações pelo frio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *