Lúpus sistêmico: sintomas, causas e tratamentos

A doença inflamatória autoimune que afeta vários órgãos e tecido conjuntivo do corpo, incluindo coração, cérebro, pulmões, articulações, vasos sanguíneos, pele e rins, entre outros, é chamada de Lúpus Eritematoso Sistêmico (LES). O tratamento médico convencional para o lúpus envolve corticosteróides em altas doses que suprimem o sistema imunológico e apresentam vários outros efeitos colaterais.

Este artigo fornecerá informações sobre como tratar os efeitos inflamatórios de doenças autoimunes como o lúpus naturalmente. Além disso, você aprenderá por que é importante evitar os perigos dos tratamentos com drogas imunossupressoras, se possível, e abordar as causas básicas do distúrbio. Neste artigo, você aprenderá os sintomas mais comuns e as causas básicas do lúpus sistêmico, bem como as estratégias de suporte natural.

Sintomas de lúpus

Lesões de pele afetam 90% dos indivíduos com lúpus, como é evidente pela erupção em forma de borboleta presente no rosto de um indivíduo afetado. A erupção cobre as bochechas e a ponte do nariz. Os sinais comuns de lúpus incluem alterações artríticas, fadiga crônica, dores nas articulações, dores de cabeça, feridas na boca e contagem reduzida de glóbulos brancos.

Os sintomas neurodegenerativos avançados da doença incluem perda de memória, confusão, ansiedade e depressão. Pacientes com lúpus também são propensos a sintomas cardiodegenerativos, incluindo anemia, pressão alta, doenças cardíacas, falta de ar, convulsões e derrame.

O LES acarreta uma ampla gama de sintomas clínicos que podem ser leves ou fatais, tornando o diagnóstico frequentemente um processo complicado e prolongado.

Quem é afetado pelo lúpus?

O sexo é importante no risco de desenvolver lúpus, uma vez que esta doença autoimune crônica afeta 9 mulheres para cada 1 homem. Indivíduos com risco aumentado de lúpus também incluem os de ascendência asiática ou africana, indivíduos em idades reprodutivas entre o final da adolescência e início dos 40 anos e tem a maior prevalência na Itália, Martinica, Espanha e na população afro-caribenha britânica.

Os pesquisadores levantam a hipótese de que os fatores que desencadeiam os efeitos de agravamento do lúpus são predominantemente caracterizados por hormônios femininos como o estrogênio e flutuações hormonais causadas pelo estresse e gravidez que afetam o sistema imunológico. Indivíduos com histórico familiar de doença autoimune têm risco aumentado de desenvolver o distúrbio.

Os fatores de risco ambientais incluem aqueles com maior exposição a toxinas e dietas pobres. Por exemplo, uma dieta rica em alimentos processados ​​aumenta o estado inflamatório do corpo, aumentando o risco de complicações autoimunes, como alergias alimentares e distúrbios gastrointestinais.

O Microbioma e o Lúpus

O intestino desempenha um papel importante na saúde do sistema imunológico porque auxilia na absorção e desintoxicação de nutrientes. Mais de 1000 espécies únicas de bactérias constituem o microbioma intestinal. O supercrescimento e o esgotamento de certas bactérias são evidentes em indivíduos com lúpus. Os pesquisadores descobriram que indivíduos com baixos níveis de Lactobacilos e bifidobactérias benéficos e níveis aumentados de Lachnospiraceae produtoras de butirato estavam presentes no início precoce do desenvolvimento do lúpus.

Indivíduos com lúpus devem tomar probióticos diariamente e consumir alimentos ricos em probióticos. Adicionar probióticos saudáveis ​​ricos em bactérias Lactobacillaceae pode exibir efeitos antiinflamatórios suprimindo células T pró-inflamatórias e interleucinas e estimulando as células Treg a regular a homeostase das células imunes.

Vegetais crus e orgânicos também são uma excelente escolha para curar problemas intestinais. É necessário evitar toxinas desnecessárias para equilibrar a flora intestinal, melhorar a motilidade digestiva, remover toxinas e reduzir a inflamação. Os vegetais crus melhoram a homeostase, promovendo um ambiente alcalino que não é suscetível a doenças.

Dieta e estilo de vida

Um estilo de vida complementado com alimentos antiinflamatórios e exercícios pode ajudar a tratar naturalmente o lúpus. A má digestão resultante de uma dieta com alimentos reativos e inflamatórios coloca o corpo em um estado hiperimune altamente reativo. Essa interrupção pode criar ainda mais distúrbios hormonais, toxicidade e, essencialmente, um sistema imunológico enfraquecido.

Alguns dos fatores de risco para o lúpus incluem uma dieta limitada em nutrientes adequados, alergias e sensibilidades alimentares e distúrbios gastrointestinais que podem se manifestar como síndrome do intestino solto. Indivíduos com lúpus devem considerar exercícios regulares de baixa intensidade para reduzir sintomas como depressão, fadiga e melhorar a aptidão cardiovascular e a saúde geral.

Trate os sintomas do lúpus naturalmente, consumindo uma dieta repleta de alimentos antiinflamatórios, como óleo de coco, abacate, azeitonas, vegetais, ervas e peixes selvagens como salmão e sardinha. Os suplementos a serem considerados no tratamento do lúpus incluem vitamina D, óleo de peixe, vitaminas be probióticos.

Uma das melhores abordagens para indivíduos com lúpus é seguir uma dieta de eliminação em que você elimina os irritantes alimentares mais comuns e quaisquer outros alimentos suspeitos por algumas semanas e, então, lenta e intencionalmente, adiciona-os de volta para ver se eles desencadeiam uma inflamação reação. Este artigo entra em mais detalhes sobre isso.

Alimentos e atividades a evitar

Pessoas com lúpus devem evitar alimentos difíceis de digerir, como glúten e legumes. Alimentos que podem aumentar a inflamação no corpo, como açúcar, gordura trans, álcool e cafeína, também devem ser limitados, se não evitados. Para reduzir os sintomas do lúpus, é benéfico consumir 1 a 2 xícaras de caldo de osso diariamente.

Indivíduos com lúpus devem limitar a exposição ao sol, pois os raios ultravioleta podem desencadear uma reação auto-imune. Eles ainda devem ter como objetivo obter 15 minutos diários de luz do sol de qualidade, pois esse nível é muito benéfico para o sistema imunológico. No entanto, tente evitar mais de 30 minutos de luz solar direta, pois isso pode causar inflamação da pele e uma reação erupção cutânea em indivíduos com lúpus.

Incorporar certos alimentos em sua dieta é uma excelente maneira de melhorar a umidade da pele. Alimentos curativos que aliviam a pele seca e irritada de dentro para fora incluem óleo de coco, abacate, chá verde, pepino e nozes ricas em ômega 3, amêndoas e sementes de linhaça. Pacientes que fumam são fortemente aconselhados a parar de fumar, pois esse hábito aumenta a pressão sobre o sistema cardiovascular e pode exacerbar os sintomas do lúpus.

Um suplemento que pode ser muito útil para indivíduos com lúpus é um caldo ósseo ou proteína de colágeno de boa qualidade, que fornece aminoácidos essenciais que sustentam o intestino e os tecidos mais comumente afetados pelo lúpus.

Tratamentos naturais para lúpus sistêmico

Aqui estão as melhores etapas de ação para começar em sua jornada para melhorar sua resposta inflamatória. No momento, essas estratégias não são aprovadas pelo FDA para prevenir, mitigar, tratar ou curar o lúpus sistêmico e não devem ser confundidas como tal. Você deve sempre consultar o seu médico antes de interromper ou mudar os medicamentos ou iniciar novas estratégias de saúde.

Além disso, você deve trabalhar com um profissional de saúde funcional para ajudar a orientá-lo ao longo dessas estratégias. Esta não é uma lista exaustiva e existem outras estratégias terapêuticas naturais que eu e os profissionais de saúde funcionais utilizaremos para ajudar os indivíduos com artrite reumatóide.

Dieta Antiinflamatória

Uma boa nutrição é sempre importante para qualquer condição de saúde. Existem alimentos que podem causar inflamação e permeabilidade intestinal, os quais contribuem para vários problemas de saúde.

Uma dieta antiinflamatória e curativa remove alimentos que causam inflamação e danificam o revestimento do intestino. Em vez disso, sua dieta deve incluir vegetais orgânicos, não transgênicos, frutas, gorduras saudáveis ​​e proteínas limpas. Isso ajudará a reduzir a inflamação, estabilizar o açúcar no sangue, reduzir a carga tóxica e manter níveis saudáveis ​​de pH no sangue.

Muitas pessoas com lúpus apresentam deficiências nutricionais. Uma dieta de cura antiinflamatória é rica em nutrientes e ajudará a fornecer ao corpo os nutrientes de que necessita.

Alimentos a evitar com lúpus

É importante evitar alimentos altamente inflamatórios. Alimentos pró-inflamatórios incluem:

  • Açúcares e grãos refinados (e quaisquer alimentos que são facilmente metabolizados em açúcar)
  • Carne e laticínios criados convencionalmente
  • Alimentos contendo glúten
  • Peixes de viveiro
  • Alimentos processados
  • Óleos vegetais e sementes altamente processados, como canola, semente de uva e cártamo
  • Alimentos com aditivos e conservantes

Alimentos para Incluir

Os alimentos que você deve comer em uma dieta antiinflamatória e curativa são alimentos inteiros não processados. Escolha carnes alimentadas com capim e criadas em pastagens e peixes selvagens. Inclua uma variedade de carboidratos de baixo a moderado, baixo índice glicêmico, vegetais e frutas coloridas por seus abundantes antioxidantes e fitonutrientes. Quantidades abundantes de ervas são um poderoso complemento para uma dieta curativa.

As gorduras saudáveis são uma parte muito importante de uma dieta curativa. As gorduras saudáveis são encontradas no coco, azeitonas, abacates e seus óleos e na manteiga e ghee alimentados com capim. Os ácidos graxos ômega-3 e o ácido linoléico conjugado (CLA) encontrados no salmão selvagem capturado e na carne e laticínios alimentados com capim são gorduras com muitos benefícios à saúde. Essas gorduras saudáveis são uma fonte eficiente de combustível para o corpo combater a inflamação.

Teste de sensibilidade alimentar

A maioria das pessoas com doenças autoimunes tem intestino gotejante e sensibilidade a alimentos. Essas sensibilidades podem ser difíceis de identificar, pois resultam em sintomas tardios que não são fatais.

As sensibilidades alimentares mais comuns incluem glúten, milho, laticínios, soja, amendoim e açúcar. Algumas outras sensibilidades alimentares potenciais a serem consideradas incluem todos os grãos, ovos, nozes, sementes e vegetais de beladona (tomate, batata, pimentão e berinjela).

Pode ser útil fazer uma dieta de eliminação de 28 dias, em que você remove tudo isso e, em seguida, adiciona lentamente de volta, um de cada vez. Você também pode fazer biofeedback e exames de sangue para determinar quais alimentos estão causando estresse em seu sistema e uma dieta de eliminação para testar como você está respondendo à eliminação de certos alimentos por períodos de tempo. Você também pode

Jejum intermitente

O jejum intermitente é uma forma de ciclos de jejum entre não comer (jejuar) e comer (festejar) durante um período de tempo. Os benefícios do jejum intermitente incluem reparo celular, autofagia, regulação imunológica, níveis de inflamação e sensibilidade à insulina.

Também ajuda a diminuir o risco de desenvolver doenças inflamatórias crônicas e autoimunes, como o lúpus. Indo de 16 a 18 horas entre o jantar e o café da manhã é uma das melhores maneiras de melhorar a produção mitocondrial. Seu corpo melhora a eficiência energética, aumentando e fortalecendo as mitocôndrias durante os períodos de jejum. Consuma suas refeições em uma janela de 6 a 8 horas, como das 11h às 19h ou das 12h às 18h.

Ao fazer isso, você melhora a cura celular e a regeneração das células das articulações. O jejum também ajuda a aumentar as células T reguladoras que acalmam o sistema imunológico e mantêm a inflamação sob controle (18). Para aprender mais sobre os benefícios do jejum intermitente e as melhores práticas de jejum intermitente, recomendo este artigo.

Reduzir o estresse

Reduzir o estresse é fundamental para reduzir a inflamação e melhorar a saúde imunológica. Eu recomendo que você reduza os estressores de sua vida tanto quanto possível. Desligue as notícias e veja-as apenas uma vez por dia ou algumas vezes por semana durante um período específico. Reduza o uso de mídias sociais e o tempo na internet.

Evite pessoas e situações que o derrubam. Cerque-se de pessoas amorosas e edificantes. Envolva-se em atividades edificantes e promotoras de relaxamento. Leia, experimente algumas artes e ofícios, jogue cartas ou jogos de tabuleiro, cante e dance.

Passe algum tempo na natureza e ande descalço na grama. Pratique a gratidão diária e tente afirmações positivas. Pratique o amor-próprio e ria com amigos e familiares. Medite, ore, registre e tente exercícios respiratórios diários. Seja grato e sorria mais.

Pensamentos finais

O lúpus sistêmico é um problema sério que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Os sintomas da AR incluem dor nas articulações, comprometimento da função articular, febre, perda de peso, anemia e fadiga. Para se proteger de doenças inflamatórias e auto-imunes crônicas, siga as recomendações deste artigo. Você pode notar melhorias em sua dor, energia e saúde geral.

One thought on “Lúpus sistêmico: sintomas, causas e tratamentos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *